EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Recuperados mais de quatro mil milhões de euros em ativos

João Lourenço, Presidente da República de Angola
João Lourenço, Presidente da República de Angola Direitos de autor AMPE ROGÉRIO/ 2020 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
Direitos de autor AMPE ROGÉRIO/ 2020 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
De  Neusa Silva
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Total dos Fundos retirados ilicitamente podem ultrapassar mais de metade da dívida externa de Angola, país recuperou mais de quatro mil milhões de euros.

PUBLICIDADE

O total dos fundos retirados, ilicitamente, dos cofres do Estado angolano, podem vir a ultrapassar o valor da dívida de Angola com a China, o principal credor do país.

A informação foi avançada pelo presidente da República, na quinta-feira, durante a o discurso sobre o Estado da Nação, que assinalou a abertura do novo ano parlamentar, em Angola

João Lourenço anunciou que estão em curso, em todo o país, vários processos-crime e cíveis: "vamos descobrindo dados novos, e muito provavelmente os números avançados podem vir a ser bem maiores que os anunciados", explicou o chede de Estado.

Adalberto da Costa Júnior, líder da UNITA, principal partido da oposição no país, em reação ao discurso proferido pelo presidente, afirmou estar dececionado com os dados apresentados. O grupo parlamentar mostrou cartão vermelho, durante a sessão de abertura do ano parlamentar, como forma de protesto pelos resultados apresentados pelo titular do poder executivo.

Adalberto da Costa Júnior afirmou ter a certeza de "que os angolanos, em geral, estão dececionados. Os números que desapareceram do erário público são muito mais altos, são números superiores aos cem biliões de dólares", garantiu.

Já o economista Carlos Rosado de Carvalho, disse que esperava mais detalhes sobre os fundos recuperados pelo Estado angolano e que rondam os quatro mil milhões de euros.

O economista considera que o presidente João Lourenço esvaziou o discurso sobre o estado da Nação ao conceder dias antes uma entrevista a um órgão internacional falando sobre questões ligadas a corrupção.

Durante a abertura do ano parlamentar, João Lourenço apontou, e entre outra prioridades para o seu executivo, a consolidação do Estado de Direito e a construção de uma economia de mercado dinâmica e eficiente, o aumento do emprego, do rendimento e o bem-estar da população.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?

Comissão parlamentar da Geórgia aprova lei dos "agentes estrangeiros" em terceira leitura

Eleições europeias: O que é que os eleitores querem e o que é que os candidatos prometem?