Última hora
This content is not available in your region

Face a ataque em Viena, líderes europeus renovam promessa de unidade

euronews_icons_loading
Face a ataque em Viena, líderes europeus  renovam promessa de unidade
Direitos de autor  CHRISTOPHE PETIT TESSON/AFP
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente francês, Emmanuel Macron, assinou, terça-feira, um livro de condolências na embaixada da Áustria, em Paris, enviando votos de pesar às famílias das vítimas do ataque terrorista em Viena.

Macron realçou que o ataque na capital austríaca, segunda-feira, tem muito em comum com vários ataques em França, nas últimas semanas.

"Tenho pensado no que Viena representa na história da Europa. É uma cidade de cultura e de emancipação, é mesmo a encarnação dos nossos valores. Penso que este ataque não tem nada de inocente, revela-nos a vontade dos nossos inimigos de atacar a Europa enquanto terra de liberdade, de cultura e de valores. Não vamos ceder em nada", disse Macron a jornalistas.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, enviou uma mensagem via Twitter condenando "o ataque desprezível nos termos mais fortes possíveis”.

A chanceler da Alemanha, Angela Merkel, disse que o terrorismo islâmico é o pior inimigo da Europa e que a luta contra os seus autores e instigadores é comum a todos os países da União.

Desde o final de setembro, o terrorismo levado a cabo por muçulmanos extremistas abalou França, onde foram praticados três ataques contra civis, incluindo duas decapitações com recurso a facas.

No caso da Áustria morreram cinco pessoas, incluindo o atacante, vítimas de armas de fogo.

Atacar a raíz do problema

Claude Moniquet, especialista em terrorismo e informações secretas no ESISC, diz que o combate levado a cabo pelas autoridades deve ser mais abrangente.

"Infelizmente, foi já tarde que a Europa se deu conta de que não pode apenas fazer o que tem feito nos últimos anos, isto é, lutar contra o terrorismo praticado por grupos da facção radical do Islão, mas também deve atacar o problema na raíz, no sentido de combater a ideologia", disse o especialista.

"Durante demasiado tempo atacou-se, unicamente, o jihadismo praticado por grupos terroristas, mas ignorou-se o salafismo político", acrescentou.

Mas esse será, também, um debate intenso entre os líderes europeus porque nem todos defenderão a posição do presidente francês de criar leis mais duras para combater o que apelidou de "separatismo islâmico".