Última hora
This content is not available in your region

Pandemia na Europa e nas Américas é "preocupante"

euronews_icons_loading
Pandemia na Europa e nas Américas é "preocupante"
Direitos de autor  Ronald Zak/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

"Encorajadora" - A Organização Mundial de Saúde considerou encorajadora a notícia sobre a nova vacina contra a Covid-19. Mas o diretor-geral sublinhou que, no imediato, a OMS está mais preocupada com a ressurgência de casos na Europa e outros países.

"Este não é o momento para complacência. Ao mesmo tempo que recebemos notícias encorajadoras sobre vacinas contra a Covid-19 e permanecemos cautelosamente otimistas sobre potenciais novas ferramentas que começam a chegar nos próximos meses, estamos muito preocupados com o aumento da pandemia nalguns países, em particular na Europa e nas Américas", declarou Tedros Adhanom Ghebreyesus.

Apesar de insistir que não houve qualquer surto na sede da OMS, a organização registou 65 casos de coronavirus entre o pessoal a trabalhar em Genebra. A revelação surge numa altura em que o país anfitrião, a Suíça, tem estado a braços com surtos, em particular naquela cidade.

No início de novembro, o cantão estava entre as regiões europeias com o número mais alto de infeções per capita.

Agora, depois de medidas restritivas apertadas no país, incluindo o encerramento do comércio não essencial, as autoridades afirmam que a situação está mais estabilizada, embora difícil.

Entretanto, a chanceler alemã Angela Merkel declarou que o confinamento parcial de duas semanas conseguiu conter o aumento a pique das infeções. Em outubro, a Alemanha encerrou restaurantes, cafés e institutos culturais mas deixou escolas e lojas abertas. Merkel tinha pedido aos Alemães para reduzirem contactos a um mínimo e explicou haver ainda um longo caminho a ser trilhado.

Depois de uma muito debatida abordagem de manter a sociedade aberta no início da pandemia, a Suécia anunciou aquelas que são até à data as restrições mais severas no país, ao limitar reuniões publicas a oito pessoas a partir do dia 24, até à véspera de Natal. A venda de bebidas alcoólicas será proibida a partir das 22 em bares, restaurantes e discotecas a partir do dia 20.

Na capital austriaca, Viena, foi uma correria às lojas na véspera de restrições mais duras que prevêm por exemplo o encerramento de escolas e do comércio de produtos não essenciais.

Em Portugal, foi registado o recorde de óbitos diários com 91 falecimentos ligados hä covid 19 e um máximo nos internamentos hospitalares: 3040 .