Última hora
This content is not available in your region

Terapia experimental que mata cancro da mama sem afetar outras partes do corpo vence prémio europeu

euronews_icons_loading
Terapia experimental que mata cancro da mama sem afetar outras partes do corpo vence prémio europeu
Direitos de autor  euronews
Tamanho do texto Aa Aa

Uma nova terapia para o cancro da mama promete destruir tumores dentro do corpo. A técnica inovadora foi desenvolvida em Wroclaw, na Polónia.

A tecnologia chamada Nanocargo foi desenvolvida na Universidade de Ciência e Tecnologia de Wroclaw, permite evitar uma cirurgia dolorosa e já ganhou o prémio europeu mais importante em matéria de inovação.

Joanna Bauer lidera a equipa que desenvolveu a nova terapia, no âmbito de um projeto da União Europeia. Conhecida como “Nanocargo”, a terapia que combate o cancro da mama passa pela injeção de nanopartículas diretamente no tumor.

Nos testes de laboratório, a técnica mostrou-se perfeitamente eficaz.

"Vemos as células cancerosas aqui. A verde, temos as células que queremos matar. Por enquanto, estão todas vivas. Podemos ver aqui que, após vinte minutos, há cada vez menos células vivas no conjunto que queremos matar. Após 30 minutos, com a aplicação das nossas nanopartículas, não há mais células vivas", explicou Joanna Bauer, professora de engenharia biomédica da universidade polaca.

euronews
Joanna Bauer, professora e cientista, Universidade de Ciência e Tecnologia de Wroclaw, Polóniaeuronews

Matar o tumor sem afetar as outras partes do corpo

Trata-se de uma nanotecnologia, invisível a olho nu. Milhares de nanopartículas são aquecidas por um raio laser. Segundo a investigadora, as nanopartículas são aquecidas, ao mesmo tempo, pelo laser e por um campo magnético. O calor mata as células cancerígenas e, ao mesmo tempo, os medicamentos contidos nas nanopartículas penetram no interior do tumor.

"Temos um núcleo magnético que reage com o campo magnético. No exterior, há uma cápsula metálica adicional que é excitada com o laser. Além disso, anexamos o medicamento que é usado para o cancro da mama durante a quimioterapia", explicou Joanna Baeur.

A euronews falou com o oncologista polaco Rafał Matkowski, que usa quimioterapia, radioterapia e terapia hormonal para tratar o cancro da mama. Para Rafał Matkowski, a tecnologia Nanocargo é uma esperança para o futuro.

“Penso que os médicos ainda têm trabalho pela frente, porque, até agora, nenhum medicamento, nenhuma substância, nenhum método terapêutico foi eficaz a 100%”, disse Rafał Matkowski.

A euronews falou com uma sobrevivente do cancro da mama, para quem a inovação terapêutica na área do cancro é especialmente importante.

“O simples facto de saber que pode haver algo novo, ajuda-nos no tratamento porque a nossa atitude mental é extremamente importante durante a doença. É algo que nos reconforta”, disse a paciente.

euronews
Cientista indiano Nanasaheb Thorat, um dos criadores da tecnologia Nanocargoeuronews

Terapia vence Prémio Radar da Inovação da UE

O cientista indiano Nanasaheb Thorat é um dos criadores da tecnologia Nanocargo. Ao lado dos colegas polacos, Thorat recebeu o Prémio Radar da Inovação da UE e espera que a nova terapia possa alterar radicamente o tratamento do cancro.

“A nossa abordagem é muito específica, é direcionada apenas contra o tumor, e não contra as outras partes do corpo”, explicou Nanasaheb Thorat

"O Prémio Radar da Inovação é uma grande oportunidade e é um momento de orgulho. Posso transferir a ciência fundamental e as minhas ideias, para as tecnologias do mundo real". disse o cientista indiano.

Para a equipa polaca, a maior recompensa é poder ajudar as mulheres com cancro na mama.

“Estamos muito satisfeitos com o apreço que o nosso trabalho suscita, mas, acima de tudo, estamos muito satisfeitos pelo facto de a nossa tecnologia poder ajudar as mulheres no futuro. Isso é o mais importante para nós”, concluiu a investigadora.

Um dos desafios do trabalho dos cientistas é definir a dose perfeita de Nanocargo para tratar diferentes tipos de tumores e minimizar os efeitos secundários, antes do lançamento dos testes clínicos.