Aplicação Móvel acompanha crianças com cancro

Access to the comments Comentários
De  Lucia Riera Bosqued
Aplicação Móvel acompanha crianças com cancro
Direitos de autor  Asociación Galbán

Receber um diagnóstico de cancro infantil é um choque para todas as famílias e é ainda mais difícil porque se trata de pessoas vulneráveis.

Paula Rodríguez faz parte de uma dessas famílias. Sentiu medo, incerteza, raiva e dificuldade em gerir tanta informação. Teve de pensar no prognóstico, nos tratamentos, cirurgias, e na transferência para outros hospitais.

Na Associação Galbán, nas Astúrias, no norte de Espanha, Paula desenvolveu uma ferramenta que permite algum controlo sobre a doença.

A aplicação móvel "Viver com Cancro Infantil" acompanha e informa as famílias ao longo de todo o processo.

Paula contou com a ajuda de Marta Eva, a enfermeira pediátrica que teve a ideia de que todos os dados poderiam estar reunidos numa aplicação. Para além do apoio ao tratamento a aplicação fornece apoio emocional às famílias e ajuda a criar uma comunidade.

Todos os anos, em Espanha, 1.500 crianças são diagnosticadas com cancro. Embora com uma taxa de sobrevivência de 80%, cada caso é diferente e cada doente também. Por isso é considerado uma doença rara.

Paula Rodríguez sublinha que a pandemia acrescentou uma nova variável ao cuidado de crianças e adolescentes com cancro, especialmente nos meses mais difíceis, com a atividade dos serviços de saúde restrita ou muito limitada. A Covid-19 também significou uma redução drástica no financiamento, porque muitas associações conseguiam ajudas através de eventos. 

No Dia Internacional da Criança com Cancro Infantil, Paula recorda-nos a importância de um diagnóstico precoce para uma melhor sobrevivência. 

A aplicação "Viver com Cancro Infantil" foi bem recebida nas Astúrias. Agora, o objetivo é que chegue a todas as famílias gratuitamente.