Última hora
This content is not available in your region

Ilustradora francesa dá rostos às vítimas de violência doméstica

euronews_icons_loading
Ilustradora francesa dá rostos às vítimas de violência doméstica
Direitos de autor  Raphaëlle Vivent
Tamanho do texto Aa Aa

Aïssatou, Alexia, Marie, Christelle são nomes de mulheres assassinadas pelos maridos ou ex-companheiros. Para recordá-las, bem como a outras vítimas de violência doméstica, a ilustradora francesa Fanny Vella conta-nos as histórias por trás dos números.

"Os números revelados durante o ano são dramáticos, mas não me diziam o suficiente. Para mim é importante ter um rosto, um nome, uma idade, saber quem era essa pessoa", explica a ilustradora, Fanny Vella, autora do projeto "Derrière les chiffres"( Por trás dos números).

Familiares das vítimas descreveram à artista como era a sua mãe, irmã ou amiga. A ilustradora desenhou os retratos e publicou-os nas redes sociais.

"Damos-lhes um pouco de visibilidade através de retratos que nos mostram que estas mulheres tiveram carreiras, amigos, paixões. Que riram muito e também tiveram muitas falhas. Eram pessoas que, talvez, não deixassem transparecer o que sentiam", diz Vella.

Hauteclair Dessertine é amiga de uma das vítimas retratadas - Hilal - que foi assassinada pelo ex-marido em fevereiro deste ano.

"Era minha colega de trabalho, uma amiga. Ela era radiante, cheia de vida", afirma Hauteclaire.

Para a amiga e para a família de Hilal, o retrato é uma espécie de terapia: "Permite-nos devolver-lhe a sua humanidade e que as pessoas vejam o que perdemos, o que nos tiraram. E é também importante mostrar que todas essas mulheres, não eram só pobres mulheres espancadas que choravam o dia todo. O feminicídio não é isso. É uma vontade de apagar uma mulher que é livre. É uma questão de propriedade. Eles querem ser proprietários delas".

"No ano passado, pelo menos 146 mulheres foram vítimas de feminicídio em França - uma morte a cada dois dias. Neste Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra as Mulheres, as ONGs voltam a fazer soar o alarme, e este ano, o contexto é ainda mais preocupante. Por causa do confinamento, a violência doméstica está a aumentar em toda a Europa", conclui a repórter da Euronews, Raphaëlle Vivent.