EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ursula von der Leyen apela à vacinação

Ursula von der Leyen apela à vacinação
Direitos de autor Martin Meissner/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Direitos de autor Martin Meissner/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Bruno Sousa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Presidente da Comissão Europeia diz que "é importante que a população esteja disposta a ser vacinada"

PUBLICIDADE

A vacinação contra a covid-19 será o grande desafio da Europa nos próximos meses, com a prioridade a ser dada aos profissionais do setor da saúde que combatem a covid-19 na linha da frente e às fatias mais vulneráveis da população.

O sucesso da campanha de vacinação é essencial para o regresso à normalidade e mesmo que a vacina não seja obrigatória, é altamente recomendada.

Para Ursula von der Leyen, "é importante que as pessoas estejam dispostas a ser vacinadas" porque "as vacinas são seguras e eficazes e protegem não só quem as toma mas também quem as rodeia."

A presidente da Comissão Europeia diz ainda que a Europa "está bem preparada devido à estratégia de vacinação comum", sublinhando que "é melhor aprender a 27 do que seguir isolado".

Apesar dos apelos, existem demasiadas pessoas que hesitam ou até recusam a vacina contra a covid-19. O movimento antivacinas tem vindo a crescer no Velho Continente e em alguns países, como a França ou a Polónia, sondagens recentes indicam que perto de metade da população tem intenções de recusar a vacina.

Na Grécia, o primeiro-ministro e a presidente deram o exemplo no combate ao medo e à ignorância e foram os primeiros a ser inoculados. A chefe de Estado reforçou a confiança na comunidade científica:

"Este Natal a ciência deu-nos o melhor presente, graças ao esforço dos investigadores que passaram noites em claro para tentar desenvolver uma vacina capaz de lidar com esta pandemia o mais rapidamente possível."

Em Portugal, um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública revela que só cerca de cinco por cento dos portugueses recusa levar a vacina, mas dois terços dos inquiridos ainda preferem esperar para ver.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo presidente de Taiwan diz que objetivos de anexação da China "não vão simplesmente desaparecer"

Europa atingida por inundações no Norte e ondas de calor no Sul

Parlamento alemão debate violência no país e condena ataque contra Robert Fico