Democratas querem demissão de Donald Trump

Democratas querem demissão de Donald Trump
Direitos de autor Gregory Bull/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Na sequência dos tumultos de quarta-feira, no Capitólio, os democratas ameaçam Donald Trump com um segundo processo de destituição, caso o presidente cessante não se demita.

PUBLICIDADE

Em torno do Capitólio, a paz é tensa e musculada. Com a memória do ataque de há dias ainda fresca, a segurança da casa da democracia norte-americana foi reforçada enquanto os democratas exigem a demissão de Donald Trump.

Nas imediações, do lado de fora, pessoas prestam homenagem ao polícia morto durante o confronto com os apoiantes do presidente cessante.

No Congresso, do lado de dentro, democratas pressionam republicanos para forçar o presidente cessante a demitir-se. Caso não o faça, Trump arrisca-se a enfrentar um novo processo de destituição.

Carolyn Maloney, representante democrata por Nova Iorque, afirmou este sábado que Trump "é uma clara ameaça à (...) democracia", e que, se não se demitir, "os líderes do país" vão ter de invocar a 25.ª emenda. Caso não o façam, o Congresso "vai regressar na próxima semana e avançar com o segundo processo de destituição".

Parte da violência na invasão do Congresso, esta quarta-feira, ficou registada em imagens, muitas delas captadas pelos próprios transgressores. A "insurreição", como lhe chamou Joe Biden, resultou em cinco mortos, além de um rasto de destruição e mensagens de ódio deixadas pelo caminho.

Mas os apoiantes de Donald Trump prometem manter as manifestações de desagrado com os resultados eleitorais e recusam-se a aceitar Biden como o futuro presidente dos Estados Unidos da América.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"É ridículo", diz Trump sobre possível processo de destituição

Basquetebolistas negros associam racismo no ataque ao capitólio

Trump compara problemas legais à perseguição feita ao opositor russo Alexei Navalny