Última hora
This content is not available in your region

Pandemia cresce em toda a Europa

euronews_icons_loading
Pandemia cresce em toda a Europa
Direitos de autor  Jeff Chiu/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

O Sars-Cov-2 galopa pela Europa. A Espanha enfrenta a terceira vaga e os hospitais estão outra vez sob grande pressão. O último registo é de 39 mil novas infeções diárias, o maior aumento de casos num só dia desde o início da pandemia.

O número de internados em unidades de cuidados intensivos cresceu 39% desde 24 de dezembro. O ministro da Saúde pede aos espanhóis que respeitem escrupulosamente as medidas adotadas por cada região autónoma porque essa é a única maneira de controlar o vírus.

A Espanha começou a vacinação no final de dezembro. Até agora foram distribuídas um milhão de doses da vacina pelas 17 regiões do país.

O Reino Unido registou o maior número diário de mortes desde o início da pandemia - mais de 1.500.

Os especialistas em saúde pública falam de um "fracasso fenomenal de política em prática".

O governo de Boris Johnson está sob enorme pressão. Perante uma comissão parlamentar, o primeiro-ministro foi vago sobre a resposta do seu governo à entrada no país de uma nova variante do Sars-Cov2, com origem no Brasil.

"Estamos a tomar medidas para impedir que a variante do Brasil seja importada para este país. Tomamos medidas para impedir a importação da variante sul-africana para este país, como de facto os franceses tomaram medidas para impedir a importação da variante de Kent para a França". E é isso que os países fazem", afirmou o primeiro-ministro.

A Itália vai estender o estado de emergência até o final de abril, já que as infeções não mostram sinais de abrandamento. O estado de emergência, que deveria expirar no final de janeiro, dá maiores poderes ao governo central e agiliza os processos burocráticos das medidas a adotar.

Portugal também estende o estado de emergência e entra num novo confinamento às 00 horas desta sexta-feira, dia 15. O primeiro-ministro indica: "A regra principal é ficar em casa. Cada um de nós deve aplicar esta regra, a fim de proteger os outros e para nos proteger a nós mesmos, só assim venceremos a pandemia".

Para já, o confinamento está previsto para um mês. Os especialistas falam de oito semanas para trazer as taxas de infeção para os níveis anteriores ao Natal.