Última hora
This content is not available in your region

Novas variantes da Covid-19 acentuam crise sanitária

euronews_icons_loading
Novas variantes da Covid-19 acentuam crise sanitária
Direitos de autor  Matt Dunham/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Morreram mais de 100 mil pessoas no Reino Unido desde o início da pandemia, de acordo com os números oficiais. É o primeiro país europeu - e o quinto do mundo - a ultrapassar este número. Boris Johnson ofereceu as "mais profundas condolências" a todos os que perderam entes queridos.

O melhor e mais importante que todos podemos fazer, para prestar homenagem à memória dos que morreram, é trabalhar em conjunto com cada vez mais determinação para erradicar esta doença - e é isso que faremos.
BORIS JOHNSON
Primeiro-ministro do Reino Unido

Mas o país com a maior percentagem de mortes por milhão de habitantes é Portugal na média dos últimos sete dias, onde os hospitais estão à beira do colapso e o governo considera a possibilidade de recorrer a ajuda internacional.

As novas variantes do novo coronavírus estão a comprometer as viagens. A Alemanha considera reduzir o tráfego aéreo internacional para "quase zero" voos - num esforço para travar a disseminação das estirpes mais infecciosas. As autoridades do país também estão a pensar em fechar as regiões onde as estirpes em mutação são mais dominantes.

O Reino Unido considera a introdução de uma quarentena obrigatória de 10 dias num hotel, para pessoas que entram no país, para garantir que as regras de auto-isolamento são cumpridas.Até agora, a UE decidiu manter as fronteiras abertas, mas outros países foram mais radicais. O aeroporto de Israel encerra completamente durante uma semana, só serão permitidos voos de emergência.