EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

EUA prorrogam "Tratado Start"

EUA prorrogam "Tratado Start"
Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
De  euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Rússia e Estados Unidos da América prorrogam por cinco anos "Novo Tratado Start" que impõe limites a armas nucleares

PUBLICIDADE

Depois da Rússia, os Estados Unidos da América validaram a prorrogação por mais cinco anos do tratado de limitação de armas nucleares.

O anúncio ocorre a dois dias do prazo de expiração do pacto bilateral.

O Novo Tratado Estratégico de Redução de Armas, conhecido como o "Novo Tratado START", impõe limites a armas nucleares estratégicas e não estratégicas, mobilizadas e não mobilizadas.

O porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Ned Price, sublinhou que "a prorrogação do Novo Tratado START" garante que haverá limites verificáveis nos armamentos russos até 04 de fevereiro de 2026, "evitando uma corrida ao armamento nuclear potencialmente desenfreada".

Em 2010, o pacto foi assinado pelo presidente norte-americano Barack Obama e pelo chefe de Estado russo, Dmitry Medvedev.

A sua posterior ratificação fez parte de compromissos entre os dois antigos rivais da Guerra Fria.

Desde então, a administração de Donald Trump retirou o país de dois outros tratados deste género, como parte de uma ampla retirada dos acordos internacionais.

A administração Biden já havia anunciado que iria prorrogar o tratado, no entanto iria continuar a pressionar o Kremlin em outras questões, como o alegado envolvimento num ataque às agências dos Estados Unidos ou a prisão do líder da oposição Alexei Navalny.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Ucrânia vai parar Putin", diz Biden na abertura da cimeira da NATO

Joe Biden defende o seu desempenho no debate, afirmando que sabe “fazer o seu trabalho”

Biden apoia o filho após condenação, mesmo sem indulto. "Estamos orgulhosos do homem que ele é hoje"