This content is not available in your region

Países da UE recebem primeiros lotes da vacina da Astrazeneca

Access to the comments Comentários
De  euronews
Países da UE recebem primeiros lotes da vacina da Astrazeneca
Direitos de autor  AP Photo

A Áustria recebeu os primeiros lotes da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19. O Conselho Nacional de Vacinação recomendou que esta vacina não seja utilizada nas pessoas com mais de 65 anos.

A Hungria também recebeu as primeiras doses da vacina da Astrazeneca, a quarta a chegar ao país, depois das da Pfizer/BioNtech, Moderna e Sputnik V.

"A União Europeia reservou 300 milhões de doses desta vacina, e destas mais de 6 milhões vão chegar à Hungria em parcelas semanais", afirmou Antal Feller, diretor-executivo da Hungaropharma. 

As primeiras vacinas da Astrazeneca também já chegaram a França. São 273 600 doses que se destinam a profissionais de saúde com menos de 65 anos. 

"Esta vacina tem uma vantagem em relação à anterior. Podemos guardá-la no frigorífico e não no congelador, como a anterior. Isso significa que quando a recebemos ainda podemos guardá-la durante um certo tempo, o que não será o caso, porque vamos imediatamente utilizar todas as doses, no frigorífico a temperaturas bem mais clássicas entre os 2 e os 8 graus", destaca Brigitte Bonan, farmacêutica chefe do Hospital Foch. 

Em Fernhill Heath, nos arredores de Worcester, no Reino Unido, os habitantes fizeram fila para fazer testes à Covid-19, depois de um caso da variante da África do Sul ter sido detetado na área.

"Quero realçar que ainda é cedo e que temos taxas de infeção neste país, ainda muito, muito altas... Portanto, lembrem-se como ainda é duro, de quão alta é esta taxa de infeção, e que devemos trabalhar juntos para ultrapassar isto", disse o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, num vídeo partilhado no Twitter. 

Em Portugal, os profissionais de saúde enviados pela Alemanha para ajudar a tratar doentes Covid devem começar a trabalhar este domingo. A equipa, composta por oito médicos militares e 18 enfermeiros, vai tratar de oito doentes numa nova unidade de cuidados intensivos num hospital privado, em Lisboa.