Última hora
This content is not available in your region

Astronauta Luca Parmitano e a exploração de Marte

euronews_icons_loading
Astronauta Luca Parmitano e a exploração de Marte
Direitos de autor  Pavel Golovkin/Copyright 2019 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

A aterragem perfeita da sonda "perseverance" no planeta Marte originou emoção em toda a comunidade dedicada à exploração espacial. O robô Rover está agora a enviar dados para Terra, informações que o astronauta italiano Luca Parmitano diz poderem ajudar a responder a uma das questões mais importantes da humanidade.

Luca Parmitano: "Sabemos que há muitos, muitos anos Marte teve água, lagos e oceanos, e acreditamos que essas condições possibilitam e eram importantes para o desenvolvimento de vida. E se conseguirmos encontrar qualquer vestígio de matéria orgânica ou mesmo vida no planeta vermelho, seria impressionante e de facto resolveria uma das maiores questões da humanidade que é saber se a vida é possível em qualquer outro lugar que não seja no planeta Terra".

A missão da "perseverance" é a mais recente aventura da humanidade, um momento emocionante na exploração da última fronteira. A mais de 200 milhões de quilómetros de distância, Marte está muito longe para uma visita humana a curto prazo. Mas um pouco mais próximo de casa, há outros projetos a serem desenvolvidos.

Luca Parmitano: "As agências espaciais internacionais estão a cooperar para o regresso do homem à Lua dentro de uma década. A Agência Espacial Europeia é a fornecedora do módulo de serviço. O módulo de serviço é o do motor, o que fornece eletricidade e a atmosfera, então é um grande contributo".

Parmitano regressou de um período de seis meses na estação especial internacional há pouco mais de um ano. Diz ter sido uma experiência que mudou a forma como encara a vida.

Luca Parmitano: "Aprendemos a valorizar tudo DE que sentimos falta quando estamos ausente. Aprendemos a cheirar o ar, a brisa, o sal do mar e todas essas coisa belas em nosso redor. Aprendemos a não dar as coisas como garantidas e isso é grande presente."