Última hora
This content is not available in your region

Aung San Suu Kyi alvo de mais acusações no tribunal em Myanmar

De  Francisco Marques com Associated Press, France Press
euronews_icons_loading
Manifestantes pró-democracia exigem a libertação da Nobel da Paz de 1991
Manifestantes pró-democracia exigem a libertação da Nobel da Paz de 1991   -   Direitos de autor  AP Photo/Fu Ting
Tamanho do texto Aa Aa

Aung San Suu Kyi foi alvo esta segunda-feira de novas acusações em Myanmar.

Na segunda audiência conhecida desde que a Conselheira de Estado e líder de facto do governo eleito em novembro foi detida pelos militares há um mês, Suu Kyi foi agora também acusada de violar leis da era colonial, por supostamente perturbar a tranquilidade pública e potenciar o medo.

A audiência por videoconferência da Nobel de Paz de 1991 aconteceu após mais um dia de repressão violenta pelas autoridades dos protestos pelo regresso democracia que têm vindo a ganhar força e a resistir ao regime militar instalado na antiga Birmânia desde o primeiro dia de fevereiro.

Na sequência da repressão dos protestos deste domingo, as Nações Unidas falam em pelo menos 18 mortos. A agência France Press garante ter confirmado pelo menos 10 junto de "fontes independentes" e refere relatos de meios de comunicação locais que apontam a um balanço de vítimas ainda superior ao organização sediada em Genebra e Nova Iorque.

Uma porta-voz da agência de direitos humanos da ONU disse à Associated Press que "o mais preocupante é tratar-se de uma força militar com cadastro de violações impunes dos direitos humanos e uma total falta de responsabilização".

"Estamos preocupados que o potencial do ocorrido seja ainda mais mortal", acrescentou Ravina Shamdasani.

O próprio Secretário-geral da ONU, o português antónio Guterres, também condenou esta segunda-feira a "mortal repressão" e apelou à "comunidade internacional para enviar um claro sinal aos militares de que têm de respeitar a vontade do povo de Myanmar, expressa nas eleições e parar com a repressão."

Já esta segunda-feira, os protestos voltaram às ruas de algumas das principais cidades de Myanmar.

A France Press cita relatos de meios de comunicação locais e refere disparos das forças segurança junto à prisão de Rangum, onde manifestantes protestavam contra as detenções efetuadas nos últimos dias.

Noutras zonas da capital económica da antiga Birmânia, os manifestantes pró-democracia levantaram barricadas nas estradas, preparando o cenário para o que poderá ser mais um dia de violência num país com um regime militar imposto há já um mês devido a alegada fraude eleitoral, não comprovada, nas eleições de novembro.

Um dos advogados de Aung San Suu Kyi contou ter estado em contato com a Conselheira de Estado, disse tê-la visto "de boa saúde" e revelou que a próxima audiência da líder de facto do Governo está prevista para 15 de março.

Suu Kyi, que está proibida pela Constituição de chefiar o governo de Myanmar por ter sido casada com um estrangeiro e ter também filhos estrangeiros, foi detida a 1 de fevereiro, inicialmente acusada de ter importado ilegalmente seis "walkie-talkies" e de desrespeitado as leis de proteção contra tragédias naturais, que no quadro atual são as restrições para conter a Covid-19.

Outras fontes • Reuters