EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Sanções para os responsáveis pela detenção de Navalny

Alexei Navalny, numa das últimas idas a tribunal, em Moscovo, a 16 de feveiro de 2021
Alexei Navalny, numa das últimas idas a tribunal, em Moscovo, a 16 de feveiro de 2021 Direitos de autor Tribunal de Babuskinsky via AP
Direitos de autor Tribunal de Babuskinsky via AP
De  Teresa Bizarro com Agências
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

União Europeia vai sancionar pessoalmente quem considera implicado na "perseguição" e "detenção" do principal líder da oposição russa

PUBLICIDADE

União Europeia avança com sanções para os implicados na detenção do principal líder da oposição russa Alexei Navalny. Representantes diplomáticos dos 27 em Bruxelas aprovaram a decisão esta segunda-feira; Aprovaram também a lista das pessoas acusadas de perseguir Navalny.

É a primeira aplicação prática do novo processo de tomada de decisão da União Europeia que não exige maioria absoluta quando estão em causa violações de direitos humanos. O ministério russo dos Negócios Estrangeiros diz que "não está surpreendido", mas garante que esta decisão "arruina as relações bilaterais".

Moscovo não comentou ainda um relatório de peritos da ONU, divulgado esta segunda-feira. O documento sintetiza quatro meses de investigação e conclui como "provável" a implicação de oficiais russos de alto nível no envenenamento de Navalny. Dizem os peritos que o conhecimento para manipular o agente tóxico Novichock só se encontra em "agentes do Estado".

As conclusões foram enviadas para Moscovo, em Dezembro, mas a carta dos relatores epeciais só foi tornada pública esta segunda-feira.

Alexei Navalny estava detido em parte incerta desde a passada quinta-feira. Moscovo anunciou entretanto que o político foi transferido para um colónia prisional em Pokrov, na região de Vladimir, a cerca de  100 quilómetros de Moscovo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Justiça belga deixa prosseguir encontro dos populistas em Bruxelas

75 anos da NATO: Ucrânia foi à festa em Bruxelas mas levou pedido - mais mísseis Patriot

NATO investe mais de mil milhões de euros em munições de artilharia