Última hora
This content is not available in your region

Cinema no feminino

euronews_icons_loading
Cinema no feminino
Direitos de autor  'Nomadland'
Tamanho do texto Aa Aa

O caminho das mulheres não tem sido fácil, em Hollywood. Poucas viram o seu trabalho reconhecido de modo a conseguirem a liberdade de contar as suas histórias.

Apenas uma mulher, até à data, ganhou o Óscar de Melhor Realização, Kathryn Bigelow pelo filme "Estado de Guerra", em 2009.

Este ano, pela primeira vez há duas nomeadas: Chloe Zhao por "Nomadland - Sobreviver na América" e Emerald Fennell por "Uma miúda com potencial".

Sinais de mudança, na meca do cinema mundial e esperança, como sublinha a diretora executiva do Gina Davis Institute on Gender in Media, Madeline Di Nonno:

"A falta de realizadoras, produtoras e escritoras - as pessoas têm conhecimento disso desde o início da indústria cinematográfica. Quando o cinema se transformou num negócio, as mulheres foram postas de parte. Por isso, todos os sindicatos, todos souberam desses dados desde sempre e tem sido glacial, mas agora começa a mudar".

Cada vez mais mulheres estão a receber créditos como escritoras, produtoras e realizadoras.

O filme "One Night in Miami",sobre vários homens famosos, está nomeado para vários Óscares e é produzido e realizado por mulheres.

Este março foi instituído, nos Estados Unidos, como o "Mês da História da Mulher"...

"É como o 'Mês de História Negra' - não pode ser um mês. As histórias de mulheres Negras, as histórias de mulheres têm de ocorrer 365 dias por ano, ponto final. Por isso, adoraria que não tivéssemos estes meses. Quero dizer, estou contente por os termos, é importante, mas as histórias precisam de ser contadas todos os dias, durante todo o dia e não apenas ter como um mês especial onde todos se juntam", refere Di Nonno.

O filme "Nomadland - Sobreviver na América", escrito e realizado por Chloe Zhao, é um dos filmes com mais nomeações para os Óscares deste ano. Narra a história de uma mulher de 60 anos que atravessa a América numa autocaravana depois de ter perdido tudo durante a Grande Recessão. Frances McDormand dá vida à protagonista.