Última hora
This content is not available in your region

Vladimir Makei admite uso de "métodos excessivos" na Bielorrússia

euronews_icons_loading
Vladimir Makei admite uso de "métodos excessivos" na Bielorrússia
Direitos de autor  Sergei Grits/Copyright 2020 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

Quase um ano após o início da repressão dos protestos, a Bielorrússia está isolada. As relações de Minsk com os países a ocidente são tensas ou inexistentes.

Numa entrevista exclusiva à Euronews, o chefe da diplomacia bielorrussa, Vladimir Makei, admitiu, pela primeira vez, que foram cometidos excessos: "Vemos os acontecimentos do último ano a partir de outra perspetiva. Sim, é possível que o governo tenha agido, por vezes, por métodos excessivos, mas foi uma reação adequada aos protestos absolutamente não pacíficos, protestos violentos que tiveram lugar na Bielorrússia", disse.

Contestando as organizações dos Direitos Humanos, prosseguiu: "Mesmo uma organização de direitos humanos tão conhecida como a Freedom House - que não tem qualquer simpatia pela Bielorrússia - disse, a 28 de abril, que a Bielorrússia está agora mais longe da democracia do que antes. E eu concordo plenamente com isso. A questão é porque é que isto aconteceu? Porque é que a Bielorrússia foi empurrada para trás? E graças a quem? Esta é uma pergunta retórica e é dirigida em primeiro lugar a estes defensores dos direitos humanos que estão na Europa".

A entrevista em que Vladimir Makei reconhece também que as sanções e condenações internacionais deixaram a Bielorrússia com poucos amigos e poucas opções pode ser vista na íntegra aqui na Euronews, a partir desta sexta-feira, 30 de abril.