EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Um "jardim cemitério" para migrantes na Tunísia

Um "jardim cemitério" para migrantes na Tunísia
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Apenas inaugurado, cemitério criado pelo artista Rachid Koraichi já tem mais de metade do espaço preenchido

PUBLICIDADE

Acaba de ser inaugurado, mas tem já mais de metade das campas preenchidas: um cemitério em Zarzis, no sul da Tunísia, acolhe os restos de migrantes que perderam a vida em tentativas falhadas para alcançar a Europa, atravessando o Mediterrâneo.

Intitulado "Jardim de África", é uma obra do artista argelino Rachid Koraichi, que comprou o terreno em 2018 já com a ideia de criar uma homenagem ao "migrante desconhecido".

Rachid Koraichi, criador do cemitério "Jardim de África":"Não é ficção científica... Visto aquilo que traz até aqui o mar, as correntes marinhas, torna-se claro que este cemitério vai estar saturado em pouco tempo."

Vicky é uma nigeriana de 26 anos que, contrariamente aos aqui enterrados, teve mais sorte e sobreviveu a várias tentativas infrutíferas para alcançar as costas italianas.

Vicky, migrante nigeriana:"Estão aqui muitas vidas perdidas. Muitas pessoas que queriam chegar à Europa e não conseguiram. Muitas pessoas com famílias, que agora estão à procura delas, sem saber que estão mortas. Ver estas campas deixa-me muito triste."

O cemitério foi inaugurado na presença da diretora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay. Está prevista a construção de um edifício anexo, para facilitar os trabalhos de identificação dos restos mortais recuperados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Acordo para acolher migrantes retidos entre Tunísia e Líbia

União Europeia e Tunísia assinam parceria estratégica

Crise de migrantes motiva nova viagem da "team Europa" à Tunísia