Última hora
This content is not available in your region

"Marcha das Bandeiras" marcada por protestos

De  Euronews com Lusa
euronews_icons_loading
"Marcha das Bandeiras" marcada por protestos
Direitos de autor  Oded Balilty/Copyright 2017 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O executivo de Naftali Bennett deu luz verde à realização, nesta terça-feira, da polémica marcha de judeus nacionalistas e da extrema-direita em Jerusalém Oriental. Na resposta, cerca de mil palestinianos protestaram ao longo da zona de fronteira entre a Faixa de Gaza e Israel.

A "Marcha das Bandeiras" obrigou as autoridades israelitas a aumentar a segurança, perante o risco de o desfile acabar em violência e provocar agressões a partir de Gaza.

Segundo testemunhas, soldados israelitas destacados na zona fronteiriça lançaram granadas de gás lacrimogéneo e dispararam balas reais para dispersar os manifestantes que se acercavam da vedação da fronteira, embora não haja até agora notícia de feridos.

A “Marcha das Bandeiras” celebra o aniversário da ocupação de Israel, em 1967, do sector oriental da cidade em Jerusalém.

A convocatória inicial, para 10 de maio, Dia de Jerusalém, teve de ser suspensa porque foi o detonador de uma nova onda de violência . A escalada do conflito, a mais grave desde 2014, terminou com um cessar-fogo ao fim de 11 dias. Morreram 255 palestinianos na Faixa de Gaza e 13 pessoas em território israelita.