Ultranacionalista Naftali Bennett confirmado primeiro-ministro de Israel

Naftali Bennett, este domingo, no Knesset
Naftali Bennett, este domingo, no Knesset Direitos de autor Ariel Schalit/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

60 votos a favor e 59 contra. Coligação de oito partidos, liderada pela extrema direita, tem luz verde para governar Israel

PUBLICIDADE

É o fim de uma era em Israel.

Depois de um recorde de 12 anos no cargo e de uma crise política que desencadeou quatro eleições em dois anos, o primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu passou para a oposição.

Naftali Bennett, líder do pequeno partido ultranacionalista Yamina, assume o cargo de primeiro-ministro. Mas para continuar na liderança do governo terá de manter uma coligação arriscada de partidos da direita, esquerda e centro político. 

O novo governo, liderado pelo líder da direita radical e pelo líder centrista Yair Lapid, reúne oito partidos, incluindo uma pequena fação árabe.. Os partidos estão unidos na oposição a Netanyahu e às novas eleições, mas concordam em pouco mais. É provável que prossigam uma agenda pouco ambiciosa, que procura reduzir as tensões com os palestinianos e manter boas relações com os Estados Unidos.

Antes da votação deste domingo no parlamento israelita, Bennett disse que o seu governo “terá uma oportunidade porque representa todo o país” e Netanyahu disse que “um governo que exclui 53 lugares da verdadeira direita não pode ser de unidade nacional”.

Dos 119 deputados presentes na votação, 60 votaram a favor da nova coligação e 59, a maioria do partido Likud de Netanyahu e de partidos de extrema-direita e ultraortodoxos, votaram contra.

No final da votação, as ruas de Jerusalém encheram-se de manifestantes e de festa pela derrota do histórico líder israelita.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Marcha das Bandeiras" marcada por protestos

Coligação para derrubar Netanyahu ainda tem obstáculos a vencer

Segundo maior hospital de Gaza não está operacional. Israel quer reféns libertados até ao Ramadão