Última hora
This content is not available in your region

Guerra no Afeganistão longe do fim

De  Nara Madeira com AFP
euronews_icons_loading
Doha, Qatar
Doha, Qatar   -   Direitos de autor  Euronews/AFP
Tamanho do texto Aa Aa

As últimas conversações entre governo afegão e talibãs, em Doha, terminaram sem progressos significativos. Isto mesmo depois de o líder supremo dos rebeldes, Hibatullah Akhundzada, ter dito que é a favor de uma solução política para o conflito.

De acordo com o mediador destas conversações as partes acordaram, apenas, "trabalhar para evitar baixas civis", muito aquém dos cessar-fogos previamente acordados. Para já fica a promessa de se voltarem a sentar à mesa das negociações, enquanto se procura alcançar uma "solução justa".

Foram dois dias de intensas conversações enquanto o movimento islâmico prossegue uma ofensiva generalizada no Afeganistão. Que se intensificou com a partida das tropas de pa´´íses da NATO do país.

Há vários meses que os dois lados têm vindo a reunir-se na capital do Qatar e as conversações parecem ter perdido ímpeto à medida que os talibãs vão ganhando terreno. Acredita-se que o grupo controle cerca de metade dos 400 distritos do país, várias passagens fronteiriças importantes e têm sitiada uma série de capitais de província vitais.

Mas um porta-voz das forças de segurança afegãs dizia que os combatentes pró-governamentais conduziram 244 operações e mataram 967 combatentes "inimigos", incluindo comandantes chave. Acrescentando que recuperaram 24 distritos e que o objetivo é retomá-los todos.