Última hora
This content is not available in your region

Bolsonaro pede ao Supremo que não entregue "o Brasil" ao "índio"

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira com AP, AFP
euronews_icons_loading
Brasília, Brasil
Brasília, Brasil   -   Direitos de autor  AFP
Tamanho do texto Aa Aa

O presidente brasileiro teme que o Supremo Tribunal Federal entregue "o Brasil" ao "índio", como o próprio afirmou, e pede "bom senso" aos juízes na decisão sobre o processo que terminará com a demarcação de terras indígenas.

Para o Jair Bolsonaro, e para os grande produtores agropecuários brasileiros que ocupam essas terras que pertenceram aos índios, o país tem muito a perder. O chefe de Estado afirmou, hoje, "cada cinco pessoas alimentam-se, no mundo com um prato vindo do Brasil", se a alteração for aprovada, dizia Bolsonaro, em "cada quinze pratos" apenas um virá do seu país.

Quinta-feira a alta instância terminou as audições. O julgamento será retomado na quarta-feira dia oito de setembro. Durante três sessões far-se-à a análise do caso.

Em causa está o chamado "marco temporal", que defende que povos indígenas só podem reivindicar para si a posse de terras nas quais habitassem a 5 de outubro de 1988, dia em que entrou em vigor a atual Constituição brasileira. Não tendo em consideração que muitos deles foram expulsos dos seus territórios com o recurso à força.

Para os povos indígenas há "direitos ancentrais" a ter em consideração e também o facto dessas terras terem sido ocupadas ilegalmente e recorrendo à violência.

Em julgamento está a posse de terras indígenas no município de Ibirama, em Santa Catarina, mas se o Supremo se decidir a favor das tribos deste estado isso poderá abrir precedentes.

Cerca de 6 mil indígenas, de 170 etnias, estão acampados em Brasília há mais de uma semana à espera do desfecho deste processo.

Editor de vídeo • Nara Madeira