Última hora
This content is not available in your region

Bruxelas não vai renegociar o Brexit

Access to the comments Comentários
De  Euronews com EFE
euronews_icons_loading
Maros Sefcovic
Maros Sefcovic   -   Direitos de autor  Francisco Seco/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia (UE) está aberta ao diálogo e quer encontrar “soluções práticas” para resolver as dificuldades de circulação de mercadorias na Irlanda do Norte, mas contínua indisponível para renegociar o acordo do ‘Brexit’.

O Vice-Presidente da Comissão Europeia para as Relações Interinstitucionais, Maros Sefcovic, disse hoje que o protocolo Brexit para a Irlanda do Norte não pode ser renegociado, pois causaria "instabilidade, incerteza e imprevisibilidade".

Pelo contrário, defendeu que Londres e Bruxelas devem continuar a dialogar de uma forma "construtiva" para "alcançar um entendimento" que limite o impacto do referido protocolo na região, num processo, disse, em que "estudaremos como envolver" os cidadãos da Irlanda do Norte.

Sefcovic, que é também o principal negociador da UE para o Brexit, conclui nesta sexta-feira uma visita de dois dias à Irlanda do Norte, onde o Partido Democrático Unionista (DUP), o partido maioritário, ameaçou derrubar o governo descentralizado "nas próximas semanas" se o protocolo não for radicalmente alterado.

O líder da UE recordou que a eliminação deste mecanismo não vai resolver a situação porque "não é o problema, mas a única ferramenta que temos" para encaixar a ilha da Irlanda na nova realidade criada pela saída do Reino Unido.

Na segunda-feira, Londres decidiu unilateralmente adiar pela terceira vez os controlos alfandegários pós-Brexit na Irlanda do Norte.

A este respeito, o líder do DUP, Jeffrey Donaldson, reiterou a sua intenção de deixar o governo de Belfast, que partilha o poder com os nacionalistas-católicos, se não forem tomadas "medidas urgentes" sobre o protocolo, o que mergulharia a província numa nova crise institucional.

Donaldson disse que a Irlanda do Norte "não sobreviverá" a um "período indefinido de impasse".