Última hora
This content is not available in your region

Centenário do Parlamento da Irlanda do Norte

De  euronews
euronews_icons_loading
Centenário do Parlamento da Irlanda do Norte
Direitos de autor  Peter Morrison/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

O 100º aniversário da primeira sessão do Parlamento da Irlanda do Norte celebra-se, esta terça-feira (21 de junho) na Câmara Municipal de Belfast.

A sessão original, em 1921, marcou a divisão formal da Irlanda pelo império britânico para apaziguar os unionistas protestantes, mas foi, durante muitas décadas, fortemente combatido por nacionalistas católicos irlandeses que, subsequentemente, sofreram discriminação na habitação, emprego e educação.

Foi na Câmara Municipal de Belfast que, no dia 22 de junho de 1921, o controverso Parlamento da Irlanda do Norte se reuniu pela primeira vez após o Governo Britânico ter dividido a ilha da Irlanda.

O chamado "Parlamento protestante para os protestantes" discriminou os católicos irlandeses, levando muitos observadores a afirmar que não servia bem toda a população.

"Teríamos de olhar para trás, e é um olhar para os historiadores, e decidir que foi tratado de forma errada. Deveria ter havido um esforço maciço de integração. Deveria ter havido um esforço maciço para promover os direitos e o respeito, o que simplesmente não aconteceu. Durante 50 anos, o Parlamento em Stormont baseou-se inteiramente na regra unionista", afirma o editor do jornal "The Irish News", Noel Doran.

Em 1932, o Parlamento mudou-se para o edifício Stormont, onde permanece até hoje.

Apesar do imponente edifício, as decisões aqui tomadas contribuíram para a discriminação deliberada e repetida dos católicos da Irlanda do Norte.

No final da década de 60, do século passado, eclodiu um conflito que iria durar pouco mais de 25 anos, custando cerca de 3.500 vidas.

Com grandes mudanças demográficas a acontecer na Irlanda do Norte, a questão que agora se coloca é, quanto tempo pode este Parlamento continuar?

O historiador Paul Bew acredita que a união das duas Irlandas não está par breve. "A verdade é que é bastante certo que a divisão se mantenha, durante os próximos anos, mas depois disso, em parte devido a não sabermos o que vai acontecer com a Escócia tanto como qualquer outra coisa. Então há um nível de incerteza maior. Não existe aqui, realmente, uma crise a curto prazo e um Governo irlandês, a recuperar-se da Covid, não vai enfrentar o maravilhoso povo da Irlanda do Norte e todos os problemas que este traz".

"O Parlamento da Irlanda do Norte tem tido paragens e arranques desde 1921, com muitas pessoas a questionarem-se se tem servido bem ou não a população. No entanto, com o número de católicos irlandeses, que se espera que ultrapasse o número de protestantes britânicos aqui nos próximos anos, seguido de um esperado impulso para um referendo de unificação, a probabilidade é que este Parlamento não celebre o 200º aniversário dentro de 100 anos. Só o tempo o dirá", conclui o jornalista da euronews Ken Murray.