Última hora
This content is not available in your region

ONU denuncia repressão dos talibãs

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
ONU denuncia repressão dos talibãs
Direitos de autor  David Goldman/Copyright 2021 The Associated Press. All rights reserved.
Tamanho do texto Aa Aa

Perto de cinco dezenas de franceses de origem afegã chegaram a Doha, no Catar, a bordo de um dos primeiros voos provenientes de Cabul desde o fecho do aeroporto da capital do Afeganistão e do fim da evacuação norte-americana.

A bordo seguiam 158 pessoas, de nacionalidade norte-americana, alemã e canadiana, entre outras.

Israrullhaq Ouriakhil, cidadão francês e afegão:"Estar simplesmente no Afeganistão era um perigo, porque não sabiamos se iriamos sobreviver no dia seguinte. Era a vida dia após dia."

A ONU condenou o que classificou de uma "resposta cada vez mais violenta" dos talibãs contra os dissidentes e jornalistas, nomeadamente nos protestos que têm tido lugar no país para exigir maiores liberdades e o respeito dos direitos das mulheres. De acordo com as Nações Unidas, combatentes talibãs mataram pelo menos quatro pessoas em manifestações recentes.

Esta sexta-feira, o Exército norte-americano deu pela primeira vez acesso à imprensa à base de Fort Bliss, em El Paso, no Texas, que alberga perto de 10.000 afegãos resgatados do país, numa operação classificada pelo Departamento de Estado dos Estados Unidos como "histórica" e "sem precedentes".

Menos sorte têm os milhares de afegãos que ficaram à mercê os talibãs, como as cerca de 200 famílias que vivem atualmente em condições extremamente precárias num parque de Cabul, depois de terem fugido das respetivas províncias durante a ofensiva dos islamistas para recuperar o controlo do país.

A situação é também difícil para dezenas de famílias afegãs, muitas com crianças pequenas, que acampam na Bósnia junto à fronteira com a Croácia, na esperança de conseguir entrar na União Europeia antes do Inverno. Segundo testemunhos locais, são constantemente repelidas pelas autoridades croatas, por vezes de forma violenta.