EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

A "pedalada climática" do governo de Bolsonaro na COP26

Chefe indígena olha para a floresta brasileira a desaparecer no estado do Pará
Chefe indígena olha para a floresta brasileira a desaparecer no estado do Pará Direitos de autor AP Photo/Leo Correa, Arquivo
Direitos de autor AP Photo/Leo Correa, Arquivo
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A expressão define uma finta no futebol e foi aplicada aos compromissos do Brasil na COP26 em Glasgow. A floresta da Amazónia brasileira continua a desaparecer

PUBLICIDADE

O Brasil tem a segunda maior área florestal do mundo, mas só a Amazónia tem perdido, desde que Jair Bolsonaro assumiu a presidência, cerca de 10 mil hectares por ano.

O Presidente e o ministro do Ambiente faltaram à cimeira de líderes da Conferência das Partes (COP) das Nações Unidas, mas à distância comprometeram-se nesta cimeira do clima a cortar totalmente a desflorestação ilegal até 2030. Fica por saber, no entanto, quanta desflorestação está ou será legalizada para se continuar a transformar florestas em terrenos agrícolas ou de garimpo.

Durante a cimeira de líderes na COP26, sem a presença do governo federal, o Brasil fez-se representar em Glasgow por governos estaduais, ONG e pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados.

Um dos deputados nessa câmara, Nilto Tatto, classificou como "pedalada climática" (termo usado no futebol para definir uma finta) os compromissos anunciados à distância pelo ministro do Ambiente do Brasil. O eleito trabalhista acusa o governo brasileiro de dizer uma coisa, mas estar a fazer tudo ao contrário.

"Estamos aqui para denunciar que o governo brasileiro vem fazendo tudo contrário ao que o próprio país já tinha assumido de compromissos climáticos", afirmou Nilto Tatto, em entrevsita concedida desde Glasgow ao portal "Mídia Ninja".

Um recente estudo publicado pelo Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazónia (IMAZON) refere que, entre janeiro e setembro deste ano, a Amazónia perdeu quase nove mil quilómetros quadrados de floresta. É a maior desertificação neste período dos últimos 10 anos.

Só em relação ao mês de Setembro, o Pará, o estado mais atingido pela desflorestação na Amazónia, perdeu 39% da floresta.

Sistema de Alerta de Desflorestação/IMAZON/Euronews
Área de desflorestação na Amazónia entre janeiro e setembro desde 2012Sistema de Alerta de Desflorestação/IMAZON/Euronews

Seis das 10 terras indígenas brasileiras mais atingidas pela desflorestação localizam-se no estado do Pará.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Matérias-primas que custam florestas cortadas pela União Europeia

Ministro de Tuvalu pede ajuda à COP26 de fato e gravata no mar

Relatório acentua desconfiança e protestos à porta da COP26