This content is not available in your region

Matérias-primas que custam florestas cortadas pela União Europeia

Access to the comments Comentários
De  Bruno Sousa
euronews_icons_loading
Matérias-primas que custam florestas cortadas pela União Europeia
Direitos de autor  Johanna Geron/AP

A União Europeia deu um passo de gigante no combate à desflorestação ao aprovar uma proposta no sentido de travar a importação de matérias-primas produzidas em territórios florestais. Quer isto dizer que quando o regulamento entrar em vigor, os produtores estão obrigados a provar que não contribuíram para a degradação de floresta antes de poderem negociar os produtos em território europeu.

Para Bruxelas, o motivo é óbvio. Frans Timmermans explica que "a procura europeia por matérias-primas como óleo de palma, soja, madeira, carne, cacau e café é determinante para a desflorestação e cada vez mais cidadãos querem que coloquemos um ponto final nisto".

Entre 1990 e o ano passado perdemos 420 milhões de hectares de floresta, uma superfície maior do que a UE
Frans Timmermans
Vice-Presidente da Comissão Europeia

A medida aplica-se mesmo que a desflorestação seja legal no país de origem. Para o Comissário Europeu para o Ambiente, Oceanos e Pescas, Virginijus Sinkevičius, "esta proposta é revolucionária. Podemos dizer com orgulho que fomos mais longe que nunca, a proposta tem como alvo não só a desflorestação ilegal mas toda a desflorestação motivada pela expansão agrícola."

A União Europeia mostra estar disposta a ir bem além do estabelecido na COP 26 e o Pacto Ecológico aprovado também limita a exportação de resíduos para países terceiros, promovendo a sua reutilização dentro das fronteiras europeias.

Apesar de saudada, a medida não deixou de ser alvo de algumas críticas com os ambientalistas a apontarem a ausência da borracha do lote de matérias-primas e a ausência de qualquer menção a outros ecossistemas ameaçados, como a savana ou a turfa.