EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Danny Fenster deixa prisão e pode voltar a sorrir

Danny Fenster deixa prisão e pode voltar a sorrir
Direitos de autor AP/AP
Direitos de autor AP/AP
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Editor do portal "Frontier Myanmar" tinha sido detido em maio pela junta militar e condenado a 11 anos de prisão, inclusive por associação criminosa

PUBLICIDADE

O jornalista norte-americano Danny Fenster foi libertado em Myanmar após ter sido detido em maio e condenado a 11 anos de prisão.

O editor do portal anglófono  "Frontier Myanmar" foi acusado de ter violado a lei da imigração, de associação criminosa e por instigar dissidentes contra a junta militar, que em fevereiro tomou o poder na antiga Birmânia.

Na semana passada, o jornalista foi ainda alvo de mais duas acusações, sedição e terrorismo, em que arriscava ser condenado a prisão perpétua, mas entretanto deu-se o volte-face e tudo indica ter sido resultado de uma negociação diplomática entre governos.

A liderar o grupo de negociadores terá estado o governador do Novo México Bill Richardson, que fez questão de posar ao lado de Danny Fenster, na pista do aeroporto de Naipidau, a capital birmanesa, antes de embarcarem rumo ao Qatar, escala da viagem de regresso aos Estados Unidos.

Através da respetiva organização não governamental sem fins lucrativos "Centro Richardson", o governador agradeceu ainda ao governo da Noruega o apoio dado neste processo de libertação do editor do portal "Frontier Myanmar".

"Este é dia que esperamos ver chegar quando fazemos este tipo de trabalho", escreveu ainda Bill Richardson na rede social Twitter.

Em comunicado, o chefe da diplomacia da Casa Branca, Antony Blinken, enalteceu a libertação de Fenster após "uma injusta detenção por mais de seis meses".

"Estamos contentes que o Danny possa reunir-se em breve com a sua família", afirmou o secretário de Estado norte-americano, prometendo continuar "a pedir a libertação de outros que permanecem injustamente presos" na antiga Birmânia.

Myanmar afundou-se numa crise política em fevereiro quando uma junta militar tomou o poder pela força e deteve diversos membros do governo eleito de forma esmagadora nas eleições de novembro, incluindo a líder "de facto" do executivo, a Nobel da Paz de 1991 Aung San Suu Kyi.

O chefe da junta militar agora no poder prometeu a realização "sem falha" de novas eleições multipartidárias até agosto de 2023.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Tropas do governo terão bombardeado 160 casas no Myanmar

Mais de 1.000 mortes em Myanmar

Sinal dos três dedos ganha força contra o golpe militar birmanês