This content is not available in your region

Países europeus ponderam vacinar crianças contra a Covid-19

Access to the comments Comentários
De  Ricardo Figueira
euronews_icons_loading
Alunos do secundário, na Noruega, recebem a vacina anticovid
Alunos do secundário, na Noruega, recebem a vacina anticovid   -   Direitos de autor  Heiko Junge/NTB via AP, Arquivo

França

As autoridades começam a ponderar a vacinação das crianças, numa altura em que o país vive níveis de infeção com o Sars-Cov2 preocupantes e não vistos há vários meses. O governo continua a encorajar a população a tomar a vacina, nomeadamente os adultos que até agora recusaram a injeção, e pôs em marcha um novo protocolo para as escolas, que permite reduzir o número de classes fechadas. Esta semana foram 4578 as turmas que ficaram sem aulas por causa de Casos de Covid, metade do número da semana passada.

Diz o ministro da educação Jean-Michel Blanquer: "A vacinação das crianças dos 5 aos 12 anos está a ser considerada. Em qualquer caso, não queremos uma vacina obrigatória para as crianças. Estamos atentos ao que nos dizem as autoridades de saúde sobre a possibilidade de uma vacina para esta população".

Croácia

Em Zagreb, os responsáveis do hospital central de combate à Covid receberam a visita de uma delegação de Israel, um dos países em que a distribuição de vacinas está mais desenvolvida. Os israelitas defendem também a vacinação das crianças.

Com os números de contaminações em queda, o governo croata não quer, para já, considerar a hipótese de tornar as vacinas obrigatórias.

Reino Unido

Intensifica-se a campanha pelas doses de reforço da vacina. O governo quer que todos os adultos possam ter recebido esta dose até ao fim de janeiro e o primeiro-ministro Boris Johnson deu o exemplo.

Os centros de vacinação esperam um aumento da procura nos próximos dias, motivado pelo aparecimento da variante Ómicron, que se acredita ser mais resistente às vacinas. Há casos desta nova variante, aparecida em África, em vários países da Europa.

Segundo os dados mais recentes, menos de 70% da população britânica tem a vacinação completa. Até agora, há 42 casos confirmados da nova variante no país.