EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Médicos espanhóis apelam a redobrar a atenção

Proprietários de restaurantes avisam que, se houver novamente interdições, não irão conseguir manter-se à tona.
Proprietários de restaurantes avisam que, se houver novamente interdições, não irão conseguir manter-se à tona. Direitos de autor Joan Mateu Parra/The Associated Press
Direitos de autor Joan Mateu Parra/The Associated Press
De  Jaime Velázquez
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Peritos avisam que vacina não chega para proteger a população.

PUBLICIDADE

Com 80% da população imunizada, os centros de vacinação em Espanha voltam a estar lotados. As pessoas com mais de 60 anos vêm receber a dose de reforço. Alguns dos mais jovens decidiram dar o passo e receber a inoculação que antes recusavam. 

Dizem as estatísticas que foram contados duzentos mil novos vacinados desde meados de novembro.

"Tenho 19 anos e estou a receber a minha primeira dose por causa das reuniões familiares que vamos ter em breve. Não é porque precise. É porque antes podíamos evitá-lo e agora já não", explicava-nos Marina Sánchez.

Isto ainda não acabou.
Javier García Fernández
Presidente da Sociedade de Anestesiologia

A mais recente campanha de vacinação avança à medida que aumenta o número de casos de Covid, no meio das preocupações em torno da variante Ómicron

Mas há epidemiologistas, como Ángela Domínguez, a avisar que a inoculação não pode ser a única resposta: "Sabemos agora que a capacidade de propagação do vírus tornou-se muito maior. É cerca de três vezes mais alta. Não há uma receita mágica. A vacina não é a solução. Não podemos descurar tudo o resto porque estamos vacinados. A situação mostra que há uma nova vaga e aqueles que não têm a vacina têm de o fazer agora. Mas, ao mesmo tempo, temos de cumprir as outras medidas, como o uso de máscara, o distanciamento social, a ventilação dos espaços...".

Alvaro Barrientos/The Associated Press
Vacinação em San SebastianAlvaro Barrientos/The Associated Press

Os médicos apelam à população para se manter vigilante perante o surgimento de novas estirpes.

"A minha recomendação é que o público esteja atento às indicações dos peritos científicos. Até percebermos até que ponto as vacinas continuam eficazes, mantenham-se atentos. Isto ainda não acabou", afirma Javier García Fernández, presidente da Sociedade de Anestesiologia.

As regiões vão adotando progressivamente mais restrições para prevenir as próximas semanas. Já o setor do turismo receia, mais uma vez, uma época festiva com pouca procura.

Sabemos agora que a capacidade de propagação do vírus tornou-se muito maior. É cerca de três vezes mais alta. Não há uma receita mágica. A vacina não é a solução.
Ángela Domínguez
Epidemiologista

Para já, em Madrid, os bares e restaurantes encontram-se cheios e as reservas para as semanas antes do Natal estão praticamente completas. No entanto, os proprietários avisam que, se houver novamente interdições, não irão conseguir manter-se à tona.

"Não podemos permitir que bares e restaurantes voltem a fechar. Fomos atingidos muito duramente. A maioria das empresas está endividada. O que queremos enviar é uma mensagem positiva. Estamos a tomar todas as medidas para garantir que as celebrações que todos merecemos não resultem numa onda de casos", aponta Juan José Blardony, diretor da Associação Hoteleira de Madrid.

Nas últimas duas semanas, a Espanha registou quase cem mil novos casos de Covid. O risco de transmissão ainda está longe de ser elevado. A época natalícia será um teste à estratégia sanitária do país.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países europeus ponderam vacinar crianças contra a Covid-19

Espanha recusou autorização para escala a navio que transportava armas para Israel

Vitória socialista nas eleições catalãs põe fim ao domínio pró-independência