O futuro do passado da escravatura na América em Angola

Irmãos Tucker descem escadas do Museu da Escravatura
Irmãos Tucker descem escadas do Museu da Escravatura Direitos de autor AMPE ROGÉRIO/LUSA
De  Euronews com LUSA
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Descendentes dos primeiros escravos nos EUA procuram respostas para criar pontes entre gerações

PUBLICIDADE

Foi um caminho sinuoso que trouxe a família Tucker dos Estados Unidos até Angola. São descendentes dos primeiros africanos levados daqui para a América e vieram buscar respostas ao Museu da Escravatura, em Luanda.

Existe poder no facto de conhecermos a nossa identidade, o país de onde viemos. Muitos afro-americanos não sabem qual é o seu país de origem.
Wanda Tucker
Descendente de escravos angolanos

Há muito que procuram e estudam as suas raízes, há muito que querem retraçar a identidade e reescrever a sua própria história. Uma história que começou em 1619, nas costas do Estado americano da Virgínia.

AMPE ROGÉRIO/LUSA
Museu Nacional da Escravatura, LuandaAMPE ROGÉRIO/LUSA

"Somos descendentes da primeira criança africana - agora sabe-se que era de origem angolana - a nascer nas antigas colónias britânicas. Existe poder no facto de conhecermos a nossa identidade, o país de onde viemos. Muitos afro-americanos não sabem qual é o seu país de origem. Por isso, não conseguem estabelecer ligações. À medida que nós vamos criando esta relação, estamos a construir pontes", declara Wanda Tucker.

Outro aspeto que esta família quer aprofundar no seu estudo é o papel da religião no comércio de pessoas durante este período histórico.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Banco dos Países Baixos lamenta participação na escravatura

Trump vence primárias na Carolina do Sul. Nikki Haley promete manter-se na corrida

Estados Unidos alertam para novo pacote de sanções "esmagadoras" contra a Rússia