This content is not available in your region

A indústria cinematográfica europeia em 2021

Access to the comments Comentários
De  Frédéric Ponsard
euronews_icons_loading
A indústria cinematográfica europeia em 2021
Direitos de autor  euronews
A indústria cinematográfica europeia sofreu o impacto da pandemia durante 2 anos, mas tem conseguido resistir e organizar-se graças, em particular, aos seus métodos de produção e à grande diversidade. Os filmes britânicos, dinamarqueses, bósnios, franceses e romenos conquistaram inúmeros prémios internacionais e brilharam no grande ecrã e no pequeno.
Frédéric Ponsard
Euronews

O grande vencedor dos Prémios do Cinema Europeu de 2020 , "Another Round" do realizador dinamarquês Thomas Vinterberg, também ganhou o Óscar de Melhor Longa-Metragem Internacional no início de 2021. Uma consagração para um filme europeu.

Em fevereiro, a Berlinale foi realizada em regime híbrido, devido à covid-19, com um júri composto por realizadores europeus premiados com um Urso de Ouro. E o romeno Radu Jude vence o prémio supremo por uma comédia em tempos de pandemia. Uma coprodução que reúne 4 países europeus.

Em Cannes, no mês de julho, a Europe Creative esteve presente para relembrar a importância do apoio da Comissão às coproduções europeias.

Foi muito importante para a Creative Europe Media estar presente após este ano de pandemia, também porque estamos a lançar este novo programa com um novo orçamento, com um aumento considerável para 2021-2027.
Margaux Lacoste
Europe Creative MEDIA

Foram premiados vários filmes apoiados pela Europa, como "Compartimento nº 6", uma co-produção entre 3 países europeus e a Rússia.

Esta é a primeira coprodução menor da Rússia, por isso tivemos o filme do início ao fim na Rússia entre São Petersburgo e Murmansk.
Juho Kuosmanen
realizador

A Academia Europeia de Cinema reúne 4200 profissionais do cinema. "Quo Vadis, Aida", "O Pai", "Flee"... Os principais filmes em exibição ou premiados em Berlim pela Academia no final do ano são, na sua maioria, co-produções europeias.

Na Europa, claro, temos um sistema muito forte quando se trata de financiamento público, que não se desvanece de repente. Assistimos, há uns 2 anos, que novos elementos estão a entrar no processo de filmagem, financeiramente, mas também quando se trata de conteúdo e de escolher a história. Esse processo só foi acelerado nos últimos dois anos da pandemia.
Matthijs Wouter Knol
Diretor Executivo e Diretor da Academia Europeia de Cinema

Os novos elementos são obviamente as plataformas que produzem séries e longas-metragens de grandes realizadores europeus, como Paolo Sorentino com o seu último filme, "A Mão de Deus", visível no pequeno ecrã, neste Inverno.