EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Washington e Bruxelas: diplomacia e união contra a pressão russa

Washington e Bruxelas: diplomacia e união contra a pressão russa
Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Washington e Bruxelas unidas querem privilegiar a via do diálogo para a solução da crise aberta com a tensão na fronteira da Ucrânia com a Rússia

PUBLICIDADE

A União Europeia e os Estados Unidos voltaram a acusar a Rússia de escalar a tensão na fronteira com a Ucrânia, enquanto se aguarda o início das conversações em janeiro. A União Europeia manifesta grande preocupação, mas os líderes afirmam que a diplomacia é o melhor caminho.

O primeiro-ministro italiano, Mario Draghi questiona: "Qual é o fator de dissuasão da União Europeia? Temos de refletir sobre isso, porque, temos mísseis, navios, canhões, exércitos? De momento, não. "

A ministra alemã dos Negócios Estrangeiros, Annalena Baerbock, mostrou-se bastante preocupada com as exigências de Moscovo e com últimas declarações do presidente russo, Vladimir Putin e insiste: "Tenho dito repetidamente como é importante regressarmos à mesa de negociações no formato da Normandia, garantir que podemos evitar uma nova escalada, porque esta grande crise em que nos encontramos só pode ser resolvida através do diálogo".

Numa conversa telefónica na quarta-feira, os chefes da diplomacia norte-americana e Europeia, Antony Blinken e Josep Borrell também concordaram que a diplomacia é a única solução possível e a união a melhor estratégia. Os dois afirmaram que "todas as conversações sobre segurança europeia com a Rússia serão feitas em coordenação e com a participação da União Europeia".

As primeiras conversações entre a Rússia e os Estados Unidos e a Rússia e a NATO estão previstas para janeiro, mas sem calendário ainda definido. A Rússia apresentou propostas de dois tratados, a Washington e à NATO, com exigências de interdição do alargamento da NATO, particularmente à Ucrânia e a limitação da cooperação militar ocidental na Europa de Leste, mas não oferece nada em troca.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Reino Unido procura reconstruir as relações com a Europa

Boicote a Budapeste: oposição húngara diz que ninguém se quer sentar à mesa com Orbán

Temperaturas na Roménia atingem os 40°C à sombra