This content is not available in your region

Caravana militar russa com cerca de 65 Kms na periferia de Kiev

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Imagem de satélite do sistema Maxar mostrando uma coluna militar russa
Imagem de satélite do sistema Maxar mostrando uma coluna militar russa   -   Direitos de autor  Satellite image ©2022 Maxar Technologies via AP

O ruído dos ataques russos ouve-se cada vez mais na capital ucraniana. A este ruído junta-se ao barulho das sirenes soaram novamente em Kiev, onde foi relatado um ataque na periferia da cidade e imagens de satélite revelam a presença de uma caravana militar russa com aproximadamente 65 Kms, a noroeste de Kiev.

Em Kharkiv, a segunda maior cidade do país, as famílias procuraram abrigos devido aos fortes bombardeamentos. Foram divulgados vídeos edifícios que mostram edifícios residenciais foram alvo de ataque e segundo as as autoridades ucranianas, temem-se dezenas de mortes.

As autoridades russas dizem que não pretendem atingir civis, mas o procurador do Tribunal Penal Internacional quer abrir uma investigação sobre possíveis crimes de guerra.

Desde o início da ofensiva, o exército russo tem enfrentado uma forte resistência ucraniana. Cada vez mais países condenam a intervenção militar de Vladimir Putin e sancionam severamente a Rússia, numa estratégia de isolamento do país. A União Europeia anunciou medidas mais pesadas e acrescentou nomes de figuras próximas de Putin à sua lista de sanções impostas na sequência da invasão.

O porta-voz do presidente da Rússia, Dmitry Peskov, está na lista, assim como vários jornalistas acusados de propaganda contra a Ucrânia pela União Europeia. A Shell, a maior empresa petrolífera da Europa, seguiu o exemplo e cortou os seus laços com a Gazprom da Rússia. A Turquia - aliada da Rússia - decidiu bloquear navios militares nos estreitos do Bósforo e de Dardanelos alegando que não pode abandonar as suas ligações com a Rússia ou com a Ucrânia e que pretende evitar uma escalada da guerra.