This content is not available in your region

Invasão russa à Ucrânia não apaga frustrações da Macedónia do Norte

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Manifestação de apoio à Ucrânia em Skopje
Manifestação de apoio à Ucrânia em Skopje   -   Direitos de autor  ROBERT ATANASOVSKI/AFP

Aleksandar Urbanovich é ucraniano mas vive na Macedónia do Norte. Indignado e chocado com os acontecimentos na sua terra natal organizou, na semana passada, um protesto no centro de Skopje, a capital do país que o acolhe, e está agora focado na entrega de ajuda humanitária à Ucrânia. Mas o país onde vive está dividido no que diz respeito a à invasão russa.

"Aqui as pessoas estão divididas. Algumas são pró-europeias, outras não. As pessoas cansaram-se de todas as condições impostas ao país para seguir em frente e veem a Rússia como um país que não impõe essas condições. Mas, na sua essência, a Rússia também não está a ajudar. Acho isto estranho. Se a Rússia não está a ajudar, isso significa que não está a melhorar a situação, então porquê defendê-la?"
Aleksandar Urbanovich
Ucraniano residente na Macedónia do Norte

E a divisão é visível nas redes sociais com a troca de galhardetes entre aqueles que apoiam os países ocidentais e os que estão do lado russo. O Instituto para a Democracia "Societas Civilis", em Skopje, realizou um estudo de opinião no qual se concluiu que cerca de 45% dos macedónios gostariam que o seu país aderisse à União Eurasiática, liderada por Moscovo. 

O apoio pode ter sido alimentado pelos entraves que a Macedónia do Norte tem encontrado nas suas tentativas de iniciar negociações de adesão àUnião Europeia, desde 2005. Ainda que, em 2018 a Comissão Europeia tenha recomendado o início das negociações para que o país possa integrar, eventualmente, a UE.

Marko Troshanovski, diretor deste organismo, explicava que "por um lado, este apoio pode ser explicado pela projeção das frustrações coletivas resultantes da falta de resposta em relação ao processo de alargamento.

"Estando (A Macedónia) na retaguarda do processo de alargamento da Europa há décadas, incluindo a querela com a Grécia e agora com a Bulgária, as pessoas sentem, de alguma forma, que a União Europeia não correspondeu às suas expectativas, aos seus sonhos. E esta frustração é projetada noutra alternativa: a Rússia".
Marko Troshanovski
Instituto para a Democracia "Societas Civilis"

Um correspondente da euronews no país, Borjan Jovanovski, referia que um número cada vez menor de cidadãos da Macedónia do Norte ainda acredita na possibilidade do seu país iniciar negociações de adesão ao bloco forte europeu.

Outras fontes • Borjan Jovanovski