This content is not available in your region

Taxistas de Madrid levam ajuda a refugiados ucranianos

Access to the comments Comentários
De  Carlos Marlasca
euronews_icons_loading
Taxistas de Madrid levam ajuda a refugiados ucranianos
Direitos de autor  Euronews/Carlos Marlasca

José faz parte de um grupo de taxistas da capital espanhola, Madrid, que se voluntariou para levar ajuda humanitária para a fronteira entre a Polónia e a Ucrânia. O filho decidiu acompanhá-lo. As imagens da guerra na televisão serviram de impulso.

José García, taxista:"Senti tanto pavor que tive de mudar de canal, porque me senti tão mal ao ver mulheres e crianças perdidas, no meio de bombardeamentos. E assim surgiu a ideia e decidi voluntariar-me."

Os taxistas vão a vários pontos em Madrid recolher alimentos, roupa e todo o tipo de ajuda obtido nomeadamente por associações de ucranianos com destino aos compatriotas que fogem da guerra.

Maria Sydii, voluntária ucraniana:"Todas estas pessoas são muito generosas, deixam os seus trabalhos, apesar de terem famílias que também têm de sustentar, para fazer este gesto. Isso não tem preço."

No total, três dezenas de veículos sairam de Madrid com destino à Europa de Leste.

Carlos Marlasca, euronews:"Não é a primeira vez que taxistas de Madrid mostram solidariedade. A 11 de março de 2004, nos piores atentados terroristas em Espanha, ofereceram serviço de forma gratuita e, mais recentemente, durante a pandemia, transportaram de forma gratuita idosos e trabalhadores do setor da saúde."

No aeroporto da capital espanhola encontramos Josué, um taxista reformado, que também quis ajudar com a sua carrinha e fez uma proposta aos antigos colegas de profissão.

Josué Arnold, taxista reformado:"Se lhes parece bem, eu levo mercadoria para lá e, no regresso, encarrego-me de trazer a bagagem das pessoas que eles quiserem trazer. E assim damos a volta à questão. Eles gostam da ideia, são colegas e antigos colegas, que ainda me conhecem bem neste mundo, porque tinha algum protagonismo."

Por diante, têm quase quarenta horas de trajeto. Os taxistas voluntários abdicaram de até cinco dias de trabalho pago para colaborarem neste esforço humanitário.