This content is not available in your region

Forças Armadas ucranianas não baixam as armas

Access to the comments Comentários
De  Nara Madeira  com AP, AFP
euronews_icons_loading
Membro da Unidade de Defesa Territorial da Ucrânia parte para a linha da frente
Membro da Unidade de Defesa Territorial da Ucrânia parte para a linha da frente   -   Direitos de autor  Rodrigo Abd/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.

O exército russo anunciou que irá limitar a sua ofensiva ao leste da Ucrânia, quando as forças de Kiev lançavam uma contraofensiva na cidade de Kherson.

Em Mariupol, Um hospital utilizado como abrigo por funcionários e residentes está, atualmente, sob controlo de separatistas de Donetsk, apoiados pela Rússia. Imagens mostravam os extensos danos no edifício e nos blocos residenciais próximos.

As autoridades ucranianas anunciavam, na sexta-feira, o trágico balanço do ataque aéreo russo da semana passada ao teatro da cidade: cerca de 300 mortos.

Dezenas de milhares de ucranianos fugiram de Mariupol na semana passada. A cidade de Zaporizhzhia, o centro urbano mais próximo, é uma espécie de ponto de passagem nesta fuga pela segurança.

Kharkiv é uma cidade em ruínas mas os ucranianos continuam a não baixar as armas. 

Em Kiev o exército russo terá mesmo sido obrigado a recuar alguns quilómetros mas a incerteza persiste e o fim da ofensiva parece não estar para breve.

Na sexta-feira, o presidente ucraniano,** Volodymyr Zelenskyy**,garantia que as Forças Armadas "continuam a repelir os ataques inimigos no sul do país, em Donbas, na direção de Kharkiv e na região de Kiev". Acrescentando que a resposta ucraniana está a levar "a liderança russa" a compreender que o diálogo é não só "necessário" como "significativo", "urgente" e "razoável", para se obter um resultado, não para prolongar o conflito.

Apesar de a guerra não parecer estar a correr de feição para Vladimir Putin, o número dois do Estado-Maior russo, Sergei Rudskoi,garantia o inverso, que os principais objetivos da primeira fase desta "operação militar", como lhe chamam, ou seja, reduzir a capacidade de combate da Ucrânia, foram grosso modo "alcançados", o que permite pensar "no objetivo principal, a libertação de Donbas".

Mas, enquanto a invasão russa à Ucrânia continua a situação no terreno degrada-se. Em Mykolaiv e arredores as instalações de saúde, casas e lojas foram danificadas por ataques de Moscovo. A cidade é considerada um ponto de controlo chave para o exército russo para uma possível tomada de Odesa por terra, localidade quetem resistido e vindo a repelido os ataques, há várias semanas.