Charles Michel assinala "Dia da Europa" em Odessa

Guerra na Ucrânia
Guerra na Ucrânia Direitos de autor Evgeniy Maloletka/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Visita surpresa do presidente do Conselho Europeu foi interrompida por bombardeamento com mísseis russos

PUBLICIDADE

O presidente do Conselho Europeu assinalou o "Dia da Europa" em Odessa. Durante a visita surpresa, Charles Michel teve de procurar abrigo por causa de um novo ataque com mísseis russos. Fontes europeias indicaram que a visita desta segunda-feira é uma “demonstração da inabalável solidariedade da União Europeia com o povo da Ucrânia.

Na segunda deslocação à Ucrânia desde o inicio da guerra, Charles Michel disse que o Kremlin quer "executar o espírito de liberdade e democracia dos ucranianos mas nunca será bem-sucedido". O presidente do Conselho Europeu disse que foi a Odessa com uma simples mensagem: "os ucranianos não estão sozinhos".

Kharkiv prepara-se para um ataque

Em Kharkiv, os membros da Guarda Nacional Ucraniana prepararam-se, esta segunda-feira, para um eventual ataque russo no "Dia da Vitória", data que assinala o triunfo da Rússia na Segunda Guerra Mundial.

Depois de passarem mais de dois meses em túneis subterrâneos, os sobreviventes da fábrica Azovstal esperam agora em tendas em Bezimeni, perto da fronteira com Rússia. Em breve, serão transportados para a cidade de Zaporíjia, no sul da Ucrânia. O governo de Kiev já confirmou que todas as crianças, mulheres e idosos foram retirados da fábrica.

Do lado de Moscovo, o discurso é de grandes avanços no terreno. O porta-voz do ministério da Defesa russo disse que a ofensiva atingiu oito postos de comando, 26 unidades de artilharia, e 211 áreas de concentração de mão-de-obra e de equipamento militar. Igor Konashenkov acrescentou que nos ataques "morreram mais de 350 nacionalistas".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O Dia da Vitória na Rússia e na Ucrânia

Zelenskyy diz que 2024 vai ser "ano decisivo" para a Ucrânia. Macron reúne líderes europeus em Paris

Lisboa juntou-se a milhares de europeus no apoio à Ucrânia dois anos depois da invasão russa