Rússia quer classificar batalhão Azov como "organização terrorista"

Access to the comments Comentários
De  Euronews
soldados ucranianos que se encontravam na siderurgia Azovstal
soldados ucranianos que se encontravam na siderurgia Azovstal   -   Direitos de autor  AP/Russian Defense Ministry Press Service

É o fim do principal foco de resistência à presença russa em Mariupol.

Após semanas entrincheirados na siderurgia Azovstal, 265 soldados ucranianos foram deslocados pelas tropas russas para áreas sob o seu controlo. Mais de cinquenta feridos graves foram levados para o hospital.

A Ucrânia fala de trocas de prisioniros, mas segundo a agência russa, Interfax, que cita o website do Ministério da Justiça russo, a duma estatal russa quer impedir que os soldados ucranianos do batalhão Azov sejam incluídos em qualquer troca de prisioneiros. O procurador-geral da Rússia pediu ao Supremo Tribunal para reconhecer o regimento Azov da Ucrânia como uma "organização terrorista".

O Supremo Tribunal da Rússia agendou a audiência para 26 de maio, informou a Interfax.

As forças russas esmagaram Mariupol, um grande porto no Mar de Azov, entre a Rússia e a Crimeia, com artilharia durante semanas enquanto algumas das mais ferozes guerras urbanas do conflito deixavam grande parte da cidade arrasada.

A ofensiva russa tem-se desenvolvido essencialmente nos últimos dias com ataques de artilharia e aéreos. Esta terça-feira, oito pessoas foram mortas em Desna, uma cidade a norte de Kiev que alberga um campo de treino militar.

No Donbass a ofensiva não tem tido avanços significativos. Nas áreas ainda sob controlo ucraniano, os soldados e a população preparam-se para enfrentar novos ataques do exército russo. Os civis do leste da Ucrânia procuram proteção. Abrigos para pessoas deslocadas, em cidades como Zaporijia, estão a ficar muito sobrecarregados.

Enquanto isto, o TPI anunciou que vai enviar para a Ucrânia a maior missão de sempre - 42 especialistas - para investigar os crimes cometidos durante a invasão russa.

Entretanto, a guerra continua em múltiplas frentes. O Kalush Ochestra, o grupo ucraniano que venceu o Concurso Eurovisão da Canção, anunciou em Lviv que vai leiloar o troféu para obter fundos para as forças armadas do país, que travam uma guerra que não mostra sinais de acabar em breve.