Rússia quer classificar batalhão Azov como "organização terrorista"

soldados ucranianos que se encontravam na siderurgia Azovstal
soldados ucranianos que se encontravam na siderurgia Azovstal Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rússia não quer incluir os soldados do batalhão Azov na troca de prisioneiros e quer classificar o batalhão como "organização terrorista"

PUBLICIDADE

É o fim do principal foco de resistência à presença russa em Mariupol.

Após semanas entrincheirados na siderurgia Azovstal, 265 soldados ucranianos foram deslocados pelas tropas russas para áreas sob o seu controlo. Mais de cinquenta feridos graves foram levados para o hospital.

A Ucrânia fala de trocas de prisioniros, mas segundo a agência russa, Interfax, que cita o website do Ministério da Justiça russo, a duma estatal russa quer impedir que os soldados ucranianos do batalhão Azov sejam incluídos em qualquer troca de prisioneiros. O procurador-geral da Rússia pediu ao Supremo Tribunal para reconhecer o regimento Azov da Ucrânia como uma "organização terrorista".

O Supremo Tribunal da Rússia agendou a audiência para 26 de maio, informou a Interfax.

As forças russas esmagaram Mariupol, um grande porto no Mar de Azov, entre a Rússia e a Crimeia, com artilharia durante semanas enquanto algumas das mais ferozes guerras urbanas do conflito deixavam grande parte da cidade arrasada.

A ofensiva russa tem-se desenvolvido essencialmente nos últimos dias com ataques de artilharia e aéreos. Esta terça-feira, oito pessoas foram mortas em Desna, uma cidade a norte de Kiev que alberga um campo de treino militar.

No Donbass a ofensiva não tem tido avanços significativos. Nas áreas ainda sob controlo ucraniano, os soldados e a população preparam-se para enfrentar novos ataques do exército russo. Os civis do leste da Ucrânia procuram proteção. Abrigos para pessoas deslocadas, em cidades como Zaporijia, estão a ficar muito sobrecarregados.

Enquanto isto, o TPI anunciou que vai enviar para a Ucrânia a maior missão de sempre - 42 especialistas - para investigar os crimes cometidos durante a invasão russa.

Entretanto, a guerra continua em múltiplas frentes. O Kalush Ochestra, o grupo ucraniano que venceu o Concurso Eurovisão da Canção, anunciou em Lviv que vai leiloar o troféu para obter fundos para as forças armadas do país, que travam uma guerra que não mostra sinais de acabar em breve.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

UE e Ucrânia estudam tribunal especial para Putin e oficiais de guerra

Antony Blinken: "Ucrânia vai tornar-se membro da NATO”

75 anos da NATO: Ucrânia foi à festa em Bruxelas mas levou pedido - mais mísseis Patriot