This content is not available in your region

50 anos de debate sobre o Clima em Estocolmo

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
António Guterres ao lado do presidente do Quénia e da primeira-ministra sueca na conferência "Estocolmo +50"
António Guterres ao lado do presidente do Quénia e da primeira-ministra sueca na conferência "Estocolmo +50"   -   Direitos de autor  Jessica Gow/JESSICA GOW

Cinquenta anos depois de receber a primeira grande cimeira internacional sobre o clima, a capital sueca, Estocolmo, é palco esta quinta e sexta-feira de uma conferência internacional na qual são debatidas as alterações climáticas, a perda de biodiversidade e os efeitos da poluição.

António Guterres, secretário-geral da ONU:"estamos a consumir a um ritmo de 1,7 planetas por ano e, se o consumo global estivesse ao nível dos países mais ricos, seriam precisos mais do que três planeta Terra. Estmos a enfrentar uma tripla crise planetária, uma emergência climática que está a matar e deslocar cada vez mais pessoas por ano."

Ao aviso do secretário-geral da ONU, junta-se o alerta da primeira-ministra sueca, sobre os riscos da geopolítica relegar para segundo plano a crise climática.

Magdalena Andersson, primeira-ministra da Suécia:"Não devemos deixar que uma crise faça sombra sobre outra. Temos simplesmente de trabalhar mais arduamente. E a guerra na Ucrânia também deixou bastante claro que a dependência de combustíveis fósseis não é unicamente um risco climático, mas também de segurança. E isso tem de acabar."

A conferência "Estocolmo +50", que assinala meio século desde o encontro histórico e da consequente Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, de 1972, reúne representantes de uma grande número de países e organizações internacionais, mas não são esperados compromissos vinculativos, servindo sobretudo para preparar o terreno para futuras cimeiras sobre o Clima.