This content is not available in your region

Flanco oriental da NATO quer reforço

Access to the comments Comentários
De  euronews
euronews_icons_loading
Reunião decorreu em Bucareste, Roménia
Reunião decorreu em Bucareste, Roménia   -   Direitos de autor  Andreea Alexandru/Associated Press. All rights reserved.

Os nove países do flanco oriental da NATO querem ver reforçada a presença da Aliança na região.

Reunidos em Bucareste os líderes da Roménia, Polónia, Estónia, Letónia, Lituânia, Chéquia, Eslováquia, Hungria e Bulgária anunciaram que vão pedir que a NATO eleve à categoria de batalhão os grupos de combate que já estão colocados no flanco leste, o que significaria aumentar o número total de militares de cada um dos quatro grupos de 1.000 para 3.000.

O presidente romeno, Klaus Iohannis sublinha que pretendem uma "presença consolidada, unida, coerente, robusta e sustentável da NATO no flanco oriental, especialmente no Mar Negro, o mais exposto às ameaças russas".

O homólogo polaco, Andrzej Duda, completa que querem assegurar que a presença que existe hoje na região seja reforçada e alargada a países "como a Bulgária, Hungria e Eslováquia". Duda afirma que o objetivo é transformar essa presença numa "defesa avançada reforçada".

As conclusões da reunião do chamado B-9 vão ser discutidas na cimeira da NATO, agendada para 29 e 30 de junho em Madrid, Espanha.