EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

A renovação urbana da cidade de Moçâmedes em Angola

A renovação urbana da cidade de Moçâmedes em Angola
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Chris BurnsDinamene Cruz
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Porta de entrada para o deserto do Namibe no sudoeste de Angola, Moçamedes é um dos principais portos de pesca do país.

PUBLICIDADE

Porta de entrada para o deserto do Namibe, no sudoeste de Angola, a cidade de Moçâmedes lançou-se num processo de renovação urbana.

Ema Samali da Silva, vice-governadora da província de Namibe, é uma das grandes impulsionadoras do Plano de Intervenção e Revitalização Urbana (PIRU) da cidade que possui um dos principais portos de pesca do país.

"Numa fase inicial, o PIRUera uma estratégia que visava a criação de um espírito coletivo e inclusivo na cidade", disse à euronews a vice-governadora para os serviços técnicos e infraestruturas da província do Namibe.

Uma mudança de mentalidade acompanhada por vários projetos de requalificação urbana. "Tratou-se de tratar e requalificar as fachadas do centro histórico. Temos também o eixo dos serviços: criar parcerias com pequenas empresas locais", acrescentou a responsável.

euronews
A cidade angolana de Moçamedes lançou um projeto de renovação arquitetónica.euronews

A renovação de edíficios históricos

Dar uma vida nova a relíquias antigas é uma das ambições da vice-governadora, que é formada em arquitetura. Samali da Silva planeia finalizar um auditório cuja construção foi interrompida pela guerra civil. "O cinema está à espera de uma exibição desde 1974", contou Samali da Silva.

O pai de Hildeberto Alfredo Madeira fez parte da equipa que construíu o auditório. "Penso que devemos fazer o que os seus criadores pensam e avançar, principalmente, para mostrar, a nível nacional e internacional, o que é esta província. Não só no campo da arte, mas também da cultura", frisou Hildeberto Alfredo Madeira.

euronews
Ema Samali da Silva, vice-governadora para os serviços técnicos e infraestruturas da província do Namibe.euronews

Fachadas das casas pintadas de fresco

Para envolver as pessoas na renovação da cidade, Samali da Silva mobilizou pintores para refrescar as fachadas de edifícios e casas. As pessoas que foram beneficiadas pela iniciativa mostram-se satisfeitas, mas, no início do processo, houve quem ficasse surpreendido.

"O que se passa é que as nossas comunidades e os nossos munícipes, quando vêem uma equipa a intervir no seu habitat, então têm sempre esse choque. Mas o mais importante é o diálogo. Eles estão, de facto, a notar uma nova roupagem nos espaços em que estamos a intervir", contou à euronews Teixeira Caiado, sócio de uma das empresas do setor privado envolvidas na renovação de Moçamedes.

A vontade de embelezamento é vísivel à beira-mar. "Estamos a tornar a nossa cidade um pouco mais colorida ou um pouco mais vibrante, mais viva e certamente também mais atrativa, tanto para aqueles que querem fazer novos negócios como também para aqueles que querem visitar a cidade como turistas", disse Samali da Silva.

euronews
Mais cores na praia de Moçâmedes.euronews

O papel dos artistas na reabilitação da cidade

Os artistas desempenham um papel importante na nova dinâmica da cidade angolana.

"O nosso objetivo é assegurar que a província não pare, para continuar a ser uma linda província, fazendo com que os artistas se expressem cada vez mais, fazendo com que estas paredes ganhem mais vida e com que a nossa cultura fique estampada em cada parede desta cidade", frisou o artista angolano Paulo Daniel.

Numa pintura mural, Johannes Silas representou a seca no sul do país. "Estamos a representar uma imagem que tem muito sentimento. Basicamente, temos um menino a beber água no chão", contou o artista angolano.

Além da dimensão artística, a criação de pinturas murais permite criar empregos para os residentes. "Podemos até ter mais pessoas a sair do desemprego, porque a arte é também um emprego. Poderemos ter pessoas fora da marginalização. Com isto, a cidade ganha em termos de arte", considera Paulo Daniel.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Pesadelo das minas terrestres cada vez mais longe

Angola quer manter papel de relevo no setor energético

Hotelaria em Angola mobiliza-se para melhorar oferta durante a pandemia