EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Pesadelo das minas terrestres cada vez mais longe

Pesadelo das minas terrestres cada vez mais longe
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Chris BurnsDinamene Cruz
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O trabalho de ONG como a Mines Advisory Group (MAG) nas províncias orientais de Angola permite que a população, hoje, tenha uma vida melhor. Atividades como a construção e a agricultura desenvolvem-se.

PUBLICIDADE

Durante anos, a vida foi interrompida. A guerra civil terminou há 20 anos, mas há um legado terrível: minas terrestres que paralisaram agricultores, construtores, famílias, crianças e a vida normal. Foi um esforço meticuloso localizá-las e removê-las.

Daniel Traide Souza, administrador da comunidade de Lucusse (província de Moxico)explica o trabalho que teve a ONG Mines Advisory Group (MAG): "É o resultado do trabalho dessa organização, que fez a desminagem destas áreas que foram minadas durante os conflitos armados. Esta organização fez o difícil trabalho de desminagem das áreas minadas para que a nossa população pudesse andar livre.

Entre aqueles que recuperaram as suas vidas encontra-se Deolinda Raquel Chihinga, que faz a divulgação junto da comunidade. Minga, como é conhecida, lembra-se de como era antes, tendo ela própria sido vítima da explosão de uma mina quando tinha apenas seis anos de idade.

"As minas destroem a vida dos seres humanos e prejudicam a comunidade. São colocadas debaixo das árvores ou escavadas num buraco, como na relva", conta.

Minga, agora com 18 anos, diz que o seu trabalho social ajuda aqueles que a rodeiam, bem como a si própria, como uma nova mãe. "Sinto-me mais feliz quando estou com outros, porque uma mina ia tirar-me a vida. Sou uma sobrevivente".

Sinto-me mais feliz quando estou com outros, porque uma mina ia tirar-me a vida.
Deolinda ("Minga") Raquel Chihinga
Sobrevivente de explosão de mina

Minga diz que as mulheres desempenham um papel importante na recuperação de uma região cuja paisagem ainda é marcada pelos vestígios da guerra. Onde o material militar enferrujado e destruído partilha com elas a paisagem: "As mulheres também têm feito muito trabalho de limpeza das áreas afetadas e fazem trabalho de sensibilização para alertar a comunidade", diz.

Há inúmeras vítimas como Minga, que lidam com as feridas e tentam reconstruir gradualmente as suas vidas, com a ajuda de fisioterapeutas.

Perigos para a construção e agricultura

As minas terrestres acabaram com muitos edifícios na área. Salvador Fernando, construtor, diz: "Não podíamos andar livremente devido às minas, pelo que a construção também não funcionava. Graças a Deus, a desminagem foi eficaz".

As minas também tiveram um forte impacto na agricultura, num dos celeiros de Angola.

Teresa Castro Vieira Mariz é proprietária da Fazenda Agropecuária T. Mariz e conta: Para aqueles que têm esta paixão pela agricultura, não se deve desistir. Quando comecei, comecei com um hectare, mas hoje posso dizer que estou a trabalhar em 400 hectares".

Daniel Traide Souza diz que a desminagem libertou pessoas e potencial em vários setores. O município de Locusse tem um grande potencial em termos de agricultura, principalmente em termos de turismo, bem como de desenvolvimento da construção.

"Temos luz e iluminação pública. Também conseguimos, dentro da responsabilidade do nosso governo provincial, colocar alguns painéis solares que estão a dar luz nas horas noturnas", diz.

Após um esforço de anos, há luz ao fundo do túnel, e um sentimento de libertação de um perigo que outrora espreitava.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Estudantes chilenos voltam às ruas

A renovação urbana da cidade de Moçâmedes em Angola

Músico Gregory Hutchinson visita Angola num regresso às origens