Forças ucranianas abandonam Severodonetsk

Carro de combate ucraniano
Carro de combate ucraniano Direitos de autor ANATOLII STEPANOV/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

As forças ucranianas receberam ordens para abandonar Severodonetsk. A cidade é crucial na estratégia russa de conquista da bacia idustrial do Donbass

PUBLICIDADE

As forças ucranianas retiram de Severodonetsk. Os soldados de Kiev receberam ordens para abandonar a cidade completamente devastada, após semanas de combates que custaram inúmeras vidas a ambos os lados do conflito.

O governador regional de Luhansk, Serhiy Haidai, explicou num vídeo, que foram dadas ordens aos soldados para retirarem para novas posições; áreas fortificadas nas quais "conduzem combates em larga escala e infligem perdas ao inimigo".

A cidade deSeverodonetsk é crucial na estratégia russa de conquista da bacia industrial do Donbass.

A Rússia afirmou esta sexta-feira que tomou o controlo de dez cidades na região de Lugansk, nos últimos cinco dias, e está perto de controlar toda a área, com apenas Lisichansk a resistir ao cerco russo.

Com a sua retirada, as tropas ucranianas estão a tentar evitar ser completamente cercadas pelos russos.

As forças pró-russas divulgaram um vídeo em que eram vistas a içar a sua bandeira e a bandeira russa em Hirskee, a sul de Lysychansk e afirmam que 41 soldados ucranianos se renderam neste assentamento militar.

Alguns analistas acreditam que o revés da Ucrânia em Lugansk não significa um ponto de viragem no conflito, mas reconhecem que serve a propaganda russa.

Em Kherson, a primeira cidade a cair em mãos russas, o chefe adjunto do governo russo, Kirill Stremousov ,denunciou como uma ação terrorista da Ucrânia o ataque que tirou a vida de um colaboracionista.

Entretanto, os bombardeamentos noturnos voltaram a atingir Kharkiv, destruindo um complexo desportivo. De acordo com as autoridades ucranianas, não houve baixas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Bombardeamentos russos voltam a Kiev

A ameaça nuclear de Putin

Ucrânia: dois anos de guerra