EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Primeiro-ministro iraquiano apela à calma

Ocupação do parlamento iraquiano
Ocupação do parlamento iraquiano Direitos de autor Adil al-Khazali/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
Direitos de autor Adil al-Khazali/Copyright 2022 The Associated Press. All rights reserved.
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O apelo tem lugar após a segunda invasão do parlamento no espaço de uma semana por apoiantes do clérigo xiita Moqtada al-Sadr

PUBLICIDADE

Milhares de seguidores do influente clérigo xiita, Moqtada al-Sadr, ocuparam o parlamento iraquiano pela segunda vez esta semana. 

Os ativistas insurgem-se contra os esforços de formação de governo liderados por uma aliança de grupos apoiados pelo Irão.

O primeiro-ministro apelou à calma.

"É um momento muito difícil. É a verdade amarga, infelizmente. Todos temos de cooperar e permanecer juntos, para não nos empurrarmos para o abismo. Temos de julgar pelas nossas mentes, pelas nossas consciências e pelos nossos sentimentos e mantermo-nos fiéis ao Iraque e aos iraquianos, e não a interesses mesquinhos", afirmou o primeiro-ministro em exercício, Mustafa al Kadhimi que sublinhou a necessidade de diálogo.

"Apelo a todos para que sejam pacientes, calmos e racionais, não sendo atraídos para um confronto. 
Apelo aos cidadãos para que não entrem em conflito com as forças de segurança e para que respeitem as instituições do Estado", acrescentou al Kadhimi.

Os manifestantes protestam contra o candidato a primeiro-ministro proposto pela aliança e que seria leal ao Irão.

A União Europeia e as Nações Unidas apelaram ao diálogo como forma de ultrapassar o impasse político que dura há cerca de 10 meses.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Centenas de manifestantes invadem parlamento do Iraque

Iraque apresenta queixa na ONU contra a Turquia por bombardamento no Curdistão

Vítimas de ataque vão a sepultar no Iraque