Iraque apresenta queixa na ONU contra a Turquia por bombardamento no Curdistão

Funeral em Bagdade de uma das vítimas do ataque no Curdistão iraquiano
Funeral em Bagdade de uma das vítimas do ataque no Curdistão iraquiano Direitos de autor AP Photo/Ali Jabar
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O bombardeamento ocorreu quarta-feira, quatro turistas iraquianos foram mortos, mas Ancara rejeita responsabilidades no ataque

PUBLICIDADE

O Iraque apresentou queixa contra a Turquia ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, pedindo uma reunião de emergência por causa do bombardeamento a meio da semana nas montanhas da região de Zarkho, no território autónomo do Curdistão iraquiano.

A Turquia rejeitou de pronto responsabilidades no ataque, uma vez mais, este sábado, apontado a Ancara e condenado pelos chefes dos governos iraquiano e curdo, respetivamente Masrour Barzani e Mustafa Al-Kadhimi, que se reuniram em Bagdade para estreitar a cooperação bilateral em termos de segurança, economia e energia.

O bombardeamento de quarta-fira resultou no impacto de pelo menos quatro projéteis, atingiu uma estância turística nas montanhas curdas, matou nove turistas iraquianos, incluindo uma criança, e feriu mais vinte pessoas.

A Turquia tem várias bases militares no norte do Iraque e costuma realizar operações naquele território, garantindo ter no alvo apenas militantes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão, o PKK, uma organização reconhecida como terrorista.

Este último ataque atribuído à Turquia, a confirmar-se, foi o primeiro no território do Curdistão iraquiano, adianta a Associated Press, em que morreram turistas iraquianos de visita ao norte do país,

Outras fontes • Rudaw, AP

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novos confrontos em Bagdade deixam pelo menos sete feridos

Primeiro-ministro iraquiano apela à calma

Pelo menos três mortos, entre os quais duas crianças, na explosão de carro armadilhado na Síria