EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Mykolaiv atingida pelos bombardeamentos "mais fortes desde o início da guerra"

Bombeiros tentam controlar incêndios em Mykolaiv após bombardeamento russo.
Bombeiros tentam controlar incêndios em Mykolaiv após bombardeamento russo. Direitos de autor Screenshot Ukrainischer Notfalldienst via EBU
Direitos de autor Screenshot Ukrainischer Notfalldienst via EBU
De  euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ataque à cidade portuária mata um dos homens mais ricos da Ucrânia, o empresário Oleksiy Vadatursky.

PUBLICIDADE

Foi um dos dias mais violentos na cidade portuária de Mykolaiv desde o início da invasão russa. Os bombardeamentos deste domingo destruíram vários edifícios na cidade que a sul tem servido de tampão à ofensiva de Moscovo em direção a Odessa. Imagens divulgadas pelas autoridades ucranianas mostram os serviços de emergência a combater os incêndios provocados pelas explosões.

Neste ataque morreu um dos homens mais ricos da Ucrânia e a mulher: Oleksiy Vadatursky, 74 anos, e a sua mulher Raisa Mykhailivna. Vadatursky era proprietário da Nibulon, empresa agrícola especializada na produção e exportação de grãos de trigo, cevada, milho — um pequeno império que incluí frota e estaleiro próprios.

Volodymyr Zelenskyy lamentou a morte de Oleksiy Vadatursky e a esposa Raisa. Zelenskyy considerou-o um "herói que durante muito tempo ajudou a garantir a segurança alimentar do mundo."

Entretanto, o Ministério da Defesa da Rússia afirmou que forças de Moscovo eliminaram o que chamou de 100 nacionalistas e 25 equipamentos militares" nas regiões de Kherson e Mykolaiv nas últimas 24 horas.

No leste da Ucrânia, em Bakhmut, um outro ataque foi captado pelas câramas dos jornalistas.

Bakhmut é uma das poucas cidades que ainda se mantém sob o controlo ucraniano na região da linha de frente de Donetsk e agora no centro da ofensiva russa nesta região da Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As marcas que as bombas de fragmentação russas deixam nos civis

Ucrânia denuncia novo ataque russo contra infraestruturas energéticas

Familiares de soldados ucranianos em cativeiro protestam em Kiev