EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Cidadãos russos demonstram apoio à invasão da Ucrânia

Cidadãos russos dão apoio à operação militar da Rússia.
Cidadãos russos dão apoio à operação militar da Rússia. Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Cidadãos demonstraram apoio à Rússia durante o "Fórum do Exército 2022", onde o país apresenta o seu extenso catálogo de armas.

PUBLICIDADE

Na Rússia, termina este domingo o “Fórum do Exército 2022”, perto de Moscovo, onde o país apresenta o seu extenso catálogo de armas. No evento, estiveram presentes vários cidadãos russos, que demonstraram apoio à invasão da Ucrânia, levada a cabo por Moscovo há já quase 6 meses.

Um dos cidadãos defendeu que a Rússia "irá vencer", considerando que se chegou a "uma situação em que serão invertidas as decisões ilegítimas de Gorbachov" e referiu que "voltarão às fronteiras de 1945", defendendo que não existe outra forma.

Já outra cidadã, que falava acompanhada pelo filho, disse que "o povo russo vai ganhar" e que "a paz entre a Rússia e a Ucrânia vai ser restaurada" porque ambos eram países amigos.

Por sua vez, outro jovem defendeu que a invasão "era necessária" e que é "melhor um fim horrível do que um horror sem fim".

O "fórum do Exército 2022" não é apenas um instrumento de propaganda utilizado pela Rússia, mas é também uma forma de promover internacionalmente as armas russas. A vendade equipamento militar é uma importante fonte de rendimento para Moscovo. Este ano, a Rússia já admitiu mesmo que exportou armas no valor de 5.4 mil milhões de dólares. Para além disso, o país planeia vender uma quantidade semelhante de equipamento militar na segunda metade de 2022.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Soldados ucranianos não desanimam na linha frente

Rússia fala em "ato de sabotagem" na Crimeia

Mercado russo é prioridade para a maior construtora automóvel do Irão