This content is not available in your region

Putin reforça exército com mais 137 mil soldados

Access to the comments Comentários
De  Euronews
euronews_icons_loading
Vladimir Putin, presidente da Rússia
Vladimir Putin, presidente da Rússia   -   Direitos de autor  MIKHAIL METZEL

Vladimir Putin ordenou um reforço das forças armadas da Rússia, com o recrutamento de mais 137.000 efetivos até ao final do ano.

O decreto de Putin é vago sobre a medida, mas o Kremlin disse que apenas os soldados voluntários contratados participarão na chamada "operação militar especial" na Ucrânia, rejeitando as alegações de que estava a ponderar uma ampla mobilização.

O decreto de Putin não especificou se a expansão seria realizada com recrutas ou voluntários, ou ambos, mas alguns analistas militares russos previram uma maior dependência de voluntários devido às preocupações do Kremlin quanto a um potencial impacto doméstico de um projeto de recrutamento alargado.

A medida irá aumentar as forças armadas russas para 2,04 milhões de efetivos.

As estimativas ocidentais de mortos russos na guerra da Ucrânia oscilam entre mais de 15.000 e mais de 20.000 - mais do que a União Soviética perdeu durante os 10 anos de guerra no Afeganistão. O Pentágono disse na semana passada que cerca de 80.000 tropas russas foram mortas ou feridas, limitando a capacidade de Moscovo de conduzir grandes ofensivas.

Apesar de o Kremlin dizer que apenas soldados voluntários contratados participam na guerra da Ucrânia, analistas acreditam que pode ser difícil encontrar muitos mais soldados dispostos a entrar no combate, e que os níveis de tropas planeados podem ainda ser insuficientes para sustentar as operações.

Entretanto, o Conselho de Estado russo da Duma apelou, na quinta-feira, aos países ocidentais para que deixem de fornecer armas pesadas à Ucrânia, alegando que estão a ser utilizadas para "matar e mutilar pessoas, e para criar o risco de uma ameaça nuclear", bombardeando a central nuclear de Zaporijia.

Também na quinta-feira, um tribunal russo ordenou a libertação de Yevgeny Roizman, o antigo presidente da câmara de Ecaterimburgo, a quarta maior cidade do país, para aguardar o fim da investigação e o julgamento em liberdade

À saída da prisão, Roizman, disse aos seus apoiantes: "Quero dizer que eventualmente tudo ficará bem, e os tempos sombrios não são eternos. Vocês já sabem isso, mas eu volto a dizê-lo, caso não saibam. Obrigado pelo vosso apoio".

Yevgeny Roizman é mais um dos opositores acusado de criticar a guerra na Ucrânia e denegrir a imagem do exército russo.