EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

UNITA contesta resultados finais das eleições apresentados pela CNE

Adalberto Costa Junior, líder da UNITA
Adalberto Costa Junior, líder da UNITA Direitos de autor JOHN WESSELS/AFP or licensors
Direitos de autor JOHN WESSELS/AFP or licensors
De  Nara Madeira com AFP, Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

UNITA não reconhece resultado divulgado pela CNE sem analisar reclamações. Partido vai avançar com contestação aos resultados finais

PUBLICIDADE

A UNITA, o principal partido da oposição em Angola contesta os resultados definitivos das eleições gerais, anunciados pela Comissão Nacional Eleitoral. A formação do Galo Negro tomou conhecimento dos mesmos através dos meios de comunicação estatais, sem que fossem cumpridos os trâmites legais previsto para o efeito, esclarecia um responsável. O partido não reconhece o resultado divulgado pela CNE enquanto não forem analisadas as queixas já efetuadas e promete avançar com uma reclamação que suspenderá o documento final, apresentado segunda-feira.

"É do interesse de todos os angolanos que a CNE não se furte à comparação das atas síntese em posse dos partidos políticos, resultantes da vontade popular expressa nas urnas e que representa a verdade eleitoral".
Manuel Pereira
UNITA

No domingo, o presidente da UNITA, Adalberto Costa Júnior, tinha afirmado, em entrevista ao canal público de televisão português, RTP, que não contestam a vitória do MPLA no escrutínio de 24 de agosto mas o número de mandatos que são atribuídos ao partido.

A Comissão Nacional Eleitoral anunciou, na segunda-feira, o que considera serem os resultados finais do escrutíno atribuindo 51% dos votos ao Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), vencedor das eleições, e 44% à UNITA.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"O MPLA não ganhou as eleições do dia 24 de agosto", afirma líder da UNITA

UNITA clama por alternância

Nigel Farage ultrapassou pela primeira vez partido do primeiro-ministro Rishi Sunak